- Publicidade -
24 C
Balneário Camboriú

Maia: no momento em que falamos em vacinas, governo isenta compra de armas

Leia também

Bolsonaro chama de ‘exagero’ e ‘rebuliço’ reação do mercado a troca na Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamou de "exagero" e "rebuliço" a reação no mercado financeiro ao anúncio, feito...

Governo Bolsonaro amarga gasto com leite condensado

Por André Borges, Rayssa Motta e Samuel Costa Na cena política nacional, o leite condensado ganhou destaque recente como protagonista...

Mourão diz que modelo democrático dos EUA é ‘farol para mundo ocidental’

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta quarta-feira, 20, que a relação do Brasil com os Estados Unidos...

Por Anne Warth

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se disse perplexo com a decisão do governo de isentar os impostos de importação sobre a compra de armas e pistolas. Ele disse que a sociedade está em “pânico” com o aumento de casos e mortes decorrentes do novo coronavírus e que, até agora, ninguém sabe se haverá vacina e nem qual a posição do governo sobre esse assunto.

- Publicidade -

“No momento em que falamos em vacinas, o governo isenta a compra de armas”, disse ele, em entrevista coletiva na Câmara. “Fico perplexo com a falta de sensibilidade do governo”, acrescentou, ressaltando que a ocupação de leitos de hospitais cresce e já se esgotou em vários locais do País.

Em decisão publicada no Diário Oficial da União (DOU), o Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Gecex) reduziu de 20% para zero a alíquota do Imposto de Importação de revólveres e pistolas a partir do dia 1º de janeiro de 2021. Essa é uma medida na linha das promessas de campanha de Bolsonaro, que defende o armamento da população.

Maia disse que o governo não tem uma estratégia clara de enfrentamento à covid-19 e que a prioridade para políticas de armamento da população mostra “distorção ou falta de prioridade” “Há certo pânico da sociedade, ninguém sabe se terá vacina nem posição do governo sobre assunto”, disse.

O presidente da Câmara disse que a prioridade de Bolsonaro é a retomada da pauta de costumes, que ele fez questão de travar durante seu mandato. “Discordo e não pautei”, afirmou, ressaltando que sua prioridade é a retomada econômica do País.

- Publicidade -

Segundo Maia, o deputado Arhur Lira (PP-AL), candidato à presidência da Casa, que possui apoio de Bolsonaro e que lança sua candidatura à Presidência da Câmara neste momento, já se comprometeu com essa agenda. “O presidente quer interferir no processo de sucessão da Câmara para defender pautas contra o meio ambiente, pelas armas e de ataque às minorias”, afirmou.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

PM dispersa banhistas em praias de Florianópolis em fim de semana de lockdown

A Polícia Militar de Santa Catarina dispersou banhistas que se aglomeravam em praias no norte da ilha, em Florianópolis,...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -