- Publicidade -
24 C
Balneário Camboriú

Senado aprova derrubada de portaria que excluiu personalidades negras da Palmares

Leia também

Bolsonaro chama de ‘exagero’ e ‘rebuliço’ reação do mercado a troca na Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamou de "exagero" e "rebuliço" a reação no mercado financeiro ao anúncio, feito...

Governo Bolsonaro amarga gasto com leite condensado

Por André Borges, Rayssa Motta e Samuel Costa Na cena política nacional, o leite condensado ganhou destaque recente como protagonista...

Mourão diz que modelo democrático dos EUA é ‘farol para mundo ocidental’

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta quarta-feira, 20, que a relação do Brasil com os Estados Unidos...

Flávio “Rachadinha” Bolsonaro apoia medida racista

Por Daniel Weterman

- Publicidade -

O Senado aprovou um projeto de decreto legislativo para derrubar a portaria da Fundação Palmares que mudou as regras de escolha das personalidades negras notáveis. A revogação da portaria foi aprovada por 69 votos a 3 e vai depender na sequência da Câmara.

Com base na portaria, o presidente do órgão, Sérgio Camargo, anunciou a exclusão de 27 nomes da lista, entre eles Benedita da Silva, Elza Soares, Paulo Paim e Gilberto Gil. Apenas os senadores Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Soraya Thronicke (PSL-MS) e Zequinha Marinho (PSC-PA) votaram contra o projeto.

O decreto legislativo para derrubar a portaria foi proposto na semana passada e recebeu o apoio da maioria dos integrantes do Senado. A fundação alterou as regras internas e definiu que a lista será uma homenagem póstuma a personalidades notáveis negras, e não mais a pessoas vivas. A mudança causou reação e críticas no Congresso.

“A luta contra o racismo é uma luta de todos nós, não é só desse ou daquele. Muito obrigado aos 81 senadores. Vida longa às políticas humanitárias, elas são a razão das nossas próprias vidas”, discursou Paulo Paim (PT-RS), senador negro e uma das personalidades excluídas da lista.

- Publicidade -

Até mesmo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), fez questão de votar contra a portaria assinada por um dirigente nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro. No painel de votação, a orientação do governo foi favorável ao projeto para derrubar a portaria. Se aprovado na Câmara, a norma da fundação será derrubada por meio de um decreto legislativo do Congresso Nacional.

“Eu fico numa posição muito delicada porque como líder do governo teria que fazer a defesa do decreto da Fundação Palmares Mas, como senador de Pernambuco, com uma trajetória de vida pública tanto na Câmara quanto no Senado Federal, quero me aliar a todos os líderes partidários e votar, como senador de Pernambuco, sim (ao projeto).”

Filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) classificou a proposta do Senado como um texto ideológico “fantasiado”. Ele argumentou que a norma assinada por Sérgio Camargo estabelece um critério técnico e objetivo ao definir que a homenagem será dada após a morte, sem parâmetro ideológico.

“O que não dá é para ser rotulado como uma pessoa que é contra o combate ao racismo por colocar o que deve ser. O presidente da Fundação Palmares não faz nada mais do que agir com coragem, com coerência”, disse Flávio Bolsonaro.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

PM dispersa banhistas em praias de Florianópolis em fim de semana de lockdown

A Polícia Militar de Santa Catarina dispersou banhistas que se aglomeravam em praias no norte da ilha, em Florianópolis,...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -