- Publicidade -
19 C
Balneário Camboriú

Encontro Criativo com Anna Muylaert e Eduardo Serrano, evento online e gratuito

- publicidade -

Leia também

- Publicidade -

O encerramento da Mostra Facinebc acontece nesta quinta-feira (29), às 19h30, com um Encontro Criativo com Anna Muylaert e Eduardo Serrano, nomes de destaque do cinema nacional, via YouTube e com transmissão gratuita e aberta a todos. 

A Facinebc está recebendo apoio do Pontos MIS/SP que conseguiu trazer para o bate-papo Giuliana Monteiro e Bruno Cucio. O quarteto irá dialogar sobre os processos criativos do roteiro à montagem do filme. 

- Publicidade -

A Mostra FacineBC exibiu mais de 50 filmes entre domingo (25) e quarta-feira (28) e foi sucesso de público, com em torno de 300 pessoas por dia acompanhando através do YouTube.  

A produtora e criadora da FacineBC, Dagma Castro, vê que o momento será, para Balneário, uma cidade, no sul do país, que tem uma cadeia produtiva do audiovisual se desenvolvendo e buscando formação, ‘de colher destes grandes nomes do cinema tudo o que nos trouxerem de suas experiências’. 

“É a primeira vez que um projeto local promove uma ação com nomes de tanta importância no segmento. Só lamentamos que pela situação da pandemia não conseguiremos abraçar a todos; mas nos orgulhamos da FacineBC ser o espaço deste estreitamento de relações para nossa cidade e nossos profissionais da cadeia produtiva”, diz.

O bate-papo pretende provocar o diálogo entre os participantes sobre os processos criativos de um filme, com o tema ‘Os caminhos e as possibilidades que entremeiam do roteiro até a montagem final de um filme, uma obra audiovisual’.

Serão debatidos:

- Publicidade -

– O roteiro, no cinema – é a base do filme, a parte prima que nasce antes de toda a obra; que terá uma estrutura, trará um conceito, uma narrativa, uma sequência de fragmentos e linha de tempo para contar uma história.

– A montagem, ou edição – na via de regra segue uma linha do tempo, seleciona, ordena e ajusta os planos do filme. A montagem pressupõe um tratado metódico para chegar no resultado desejado: contar uma história. Tecnicamente o resultado final fica nas mãos e responsabilidade do montador.

Surgem os questionamentos então:

– O montador sempre deverá seguir o tratado proposto no roteiro?

– Tem a liberdade criativa de modificar, desconstruir ou até mesmo subverter as regras primas para chegar ao resultado proposto?

– Pode enfim contar a mesma história por outro olhar?

Para conferir o Encontro Criativo basta acessar o YouTube (www.youtube.com/kochefilmes), às 19h30 desta quinta-feira (29).

Conheça os cineastas que estarão no Encontro Criativo

– Anna Muylaert

Hoje beirando seus 57 anos, nascida em 21/04/64, a paulista Anna Muylaert tem na sua cinematografia diversos prêmios no Brasil e no exterior; é diretora, roteirista e produtora especializada em conteúdo para cinema e televisão. Estudou cinema na Escola de Comunicações e artes da USP. Já na década de 90 fez parte da equipe de criação dos programas da TV Cultura Mundo da Lua (1991) e Castelo Rá-Tim-Bum (1994), uma das mais bem sucedidas séries de todos os tempos da TV brasileira – que influenciou uma geração inteira. Ainda para TV escreveu a série Um Menino Muito Maluquinho, da TV Brasil e fez parte das equipes de criação de Filhos do Carnaval e Alice, ambos da HBO e a direção geral da primeira temporada da série As Canalhas, da GNT.

No início da carreira realizou muitos filmes curtas-metragens, como roteirista vários longas, entre eles  o premiadíssimo O Ano Que Meus Pais Sairam De Férias (2006), de Cao Hamburger.  Anna também assina o roteiro de 5 longas metragens que dirigiu e produziu com sua empresa África Filmes, todos com diversos prêmios, o primeiro Durval Discos (2002), É Proibido Fumar (2009), Chamada A Cobrar (2012), Que Horas Ela Volta? (2015)  e Mãe Só Há Uma (2016). E foi com Que Horas Ela Volta? (The Second Mother) que foi reconhecida internacionalmente. O filme ganhou o Prêmio especial do Júri no Sundance Film Festival e também o Panorama Audience Award na Berlinale 2015 e foi vendido e lançado em mais de 30 países. Que Horas Ela Volta? foi também o escolhido pelo Brasil para representar o país no Oscar – motivo pelo qual recebeu o convite para fazer parte da Academia de Artes e Ciências cinematográficas de Hollywood. Atualmente  a cineasta está em fase de desenvolvimento de seu novo longa metragem O Clube Das Mulheres De Negócios em coproducão com GLAZ entretenimento.

– Eduardo Serrano

Após ter concluído seu mestrado em montagem na National Film School (NFTS)/ Royal College of Art na Inglaterra, EDUARDO SERRANO partiu para construir sua carreia em Recife. Trabalhou numa série de curtas e longas de animações, documentários e ficção, com forte presença no desenvolvimento do cinema pernambucano. Entre outros, Guaxuma, de Nara Mormande, Doméstica, Boi Neon, e Divino Amor de Gabriel Mascaro, Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, recebendo o prêmio de melhor montagem da ABC e com Bacurau de KMF e Juliano Dorneles, que também lhe rendeu o prêmio de melhor montagem da ABC e o Grande prêmio de montagem da Academia Brasileira de Cinema. 

Apesar desses trabalhos pernambucanos já alavancarem coprodução de vários países, Eduardo montou vários longas de autores estrangeiros, como o português Djon Africa, de Filipa Reis / João Miller, os argentinos La Cama, de Mónica Lairana, Karnawal de Juan Pablo Félix, o belga White Elephant de Kristof Bilsen e atualmente trabalha em dois projeto independente americano em Los Angeles, Beast e Jeannette.

– Giuliana Monteiro – mediadora

Roteirista, produtora e diretora nascida em São Paulo, formada em Multimeios pela PUC, Giuliana, Começou a trabalhar na indústria audiovisual em 2003 onde ganhou experiência profissional na área de produção de documentários e conteúdo para diversas midias, tendo colaborado com produções para canais como Discovery Channel, History Channel, NatGeo e Globo, O2 Filmes e Canal Azul e  também em diversos filmes independentes. Mudou-se para Nova York em 2011 com uma bolsa de estudos para mestrado em roteiro e direção pela faculdade NYU,Tisch School of the Arts, onde dirigiu e roterizou seis projetos de filmes curta metragem. Com tese de pós-graduação no programa MFA, recebeu o BAFTA Fellowship, a NHFA National Hispanic Foundation of Arts e a AAUW International Fellowship onde escreveu e dirigiu 5 curtas-metragens do programa, “Root” (ficção), “Margarete 6422” (documentário), “Stay” (ficção), “Happiness” (ficção) e “I Don’t Say Goodbye, I say Até breve ”(ficção). Passando de uma linguagem mais experimental para a ficção, ela se viu em uma linguagem híbrida entre documentário e ficção.

Seu último filme, curta-metragem,  “Eu Não Digo Adeus, Digo Até Logo” teve estréia na 64th Berlinale e viajou por mais de 30 festivais nacionais e internacionais, ganhando diversos prêmios, entre eles o de melhor filme no festival Internacional de Viña del Mar em 2014, melhor filme no festival de BRAFTV em Toronto, melhor roteiro no festival Fusion em Nova Iorque.  Atenta aos mercados e laboratórios internacionais, foi aluna do Berlinale Talents Campus em 2015 em Berlim e em Buenos Aires, participou do laboratório de roteiro em Torino (2018) e do laborátorio de produção em Toronto, no mesmo ano. Seus projetos estiveram em mercados de co-producção de San Sebastián na Espanha, Berlin em 2016 e do Cannes Network em 2017. 

Atualmente trabalha em seu primeiro projeto de longa metragem, “Estrada para Livramento” que recebeu o Spike Lee Fund award para desenvolvimento em 2015 e recentemente o prêmio de escrita da Fundação de San Francisco SFFILM,  também conquistou o apoio do Projeto Paradiso para cursar o Script Revision Lab do Cine Qua Non Lab, no México, em 2020.

Giuliana é fundadora da Elefanti Filmes, produtora independente com sede em São Paulo, faz parte do coletivo de roteiros, “Os Andrades” e dá aulas de roteiro em parceria com o Museu da Imagem e do Som em São Paulo e a Poeisis. 

– Bruno Cucio – mediador  

Graduado pela FAAP – Fundação Armando Alvares Penteado – em Cinema, mestrando do departamento de artes da UNESP e sócio da Travessia Filmes. Entendendo a necessidade de atuação em projetos audiovisuais voltados à produção artística e à formação de público, Bruno tem dado importante contribuição à estas demandas desde de 2009. Foi produtor executivo do longa-metragem “Para’í” (2017), dirigido por Vinicius Toro e produzido pela Travessia Filmes. Como diretor tem em sua filmografia o curta-metragem “Um Homem Satisfeito” (2015), exibido em diversos festivais nacionais e internacionais, entre eles o Festival Internacional de Cine de Punta del Este (2016) e no 26º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo;  “Até Onde” (2013), exibido no canal CINEBRASILTV, ganhador de menção honrosa de melhor filme no 7º Festival Ojo del Sancocho (2014, Colômbia), selecionado para a 17ª Mostra de Tiradentes, entre outros; “Será” (?) (2012), realizado em parceria com o grupo de teatro Caixa de Imagens e exibido no Centro Cultural São Paulo e no Festival de Cinema de Paranapiacaba.

Foi produtor e curador dos festivais de cinema XI Cinefest Gato Preto, contemplado pelo ProAC Ações de Fomento, em 2014; e Move Cine Arte, em 2012.

Bruno coordenou o projeto sócio-educacional Circuito Cultural, de 2010 até 2013, além de dar aulas de roteiro, direção, produção e cultura fílmica em escolas e instituições de ensino, como: POIESIS, IED – Instituto Europeu de Design, Colégio Bandeirantes, Escola Oswald de Andrade e Escola Carandá Viva Vida, também é colaborador dos encontros de bate-papo de Cinema do Pontos MIS/SP.

- Publicidade -

Jornal Página 3 nas redes

39,734FãsCurtir
18,100SeguidoresSeguir
6,582SeguidoresSeguir
11,600InscritosInscrever
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
×

Olá, leitor

Sugestões de pautas, informações em geral.

×