- Publicidade -
19 C
Balneário Camboriú

Presidente e diretora de Artes da Fundação Cultural de Balneário apresentaram projetos em Brasília

Leia também

Livro com registro inédito sobre a produção teatral em Itajaí será lançado nesta quinta

A história do teatro em Itajaí começou em 1897, no entanto, foi nas décadas de 1970 e 1980 que...

Foragido do RS é preso com arma e drogas em Balneário

Um homem de 34 anos, que estava foragido do RS por furto a caixa eletrônico, foi preso em Balneário...

Vereadores de Balneário Camboriú votarão hoje “calote” no fundo de saúde dos servidores municipais

A Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú votará nesta quarta-feira, 14, projeto do prefeito Fabrício Oliveira que pretende dar...

Minimercado do centro foi arrombado e furtado nessa madrugada

Um minimercado, localizado na Rua 2.000, foi arrombado e furtado na madrugada desta quarta-feira (14), em Balneário Camboriú. O...

Praça da Cultura receberá primeira empena de arte urbana da área central de Balneário Camboriú

A obra do artista Eduardo Vaso, em andamento na Praça da Cultura, ainda não está pronta, mas já vem...
- Publicidade -

O Museu de Taquaras pode estar perto de se tornar realidade. Ele foi um dos sete projetos apresentados pela presidente da Fundação Cultural, Denize Leite, e pela diretora de Artes, Lilian Martins, esta semana em Brasília, a convite do deputado federal Daniel Freitas. Elas também se reuniram com a deputada catarinense Carmen Zanotto, para pedir apoio na prorrogação da Lei Aldir Blanc, que garante renda emergencial para artistas e produtores culturais na pandemia.

Denize explicou que o objetivo da viagem até Brasília foi para ampliar as parcerias da cultura de Balneário Camboriú, buscando recursos para o município, e que foi ‘extremamente proveitosa’, lembrando que em sua opinião isso é gestão e que não devem ficar apenas dentro da Fundação.

“O município não consegue realizar tudo, precisamos buscar mais apoio”, afirma dizendo que estiveram também na Secretaria de Cultura e na Secretaria de Pesca.

- Publicidade -

Segundo a presidente, ainda não podem afirmar se todos os projetos apresentados durante a visita ao Distrito Federal vão ter apoio do Governo, mas que eles foram muito bem avaliados.

Os projetos apresentados, além do Museu de Taquaras, são referentes à implantação do Centro Integrado de Cultura (com Biblioteca, Arquivo Histórico, Centro de Documentação Histórica, Reservas Técnicas, Pinacoteca, Laboratório de Conservação e Restauro de Bens Culturais Móveis e Salas para Oficinas de Arte), revitalização da Praça da Bíblia (conhecida como Praça da Cultura), requalificação da Vila do Artesanato, revitalização das feiras de arte e artesanato, fortalecimento das comunidades tradicionais pesqueiras (programa de educação patrimonial da pesca artesanal) e requalificação do prédio da Biblioteca Municipal Machado de Assis e Arquivo Histórico.

Lei Aldir Blanc

Um leitor que preferiu não se identificar, procurou o Página 3 para relatar que muitos artistas estariam indignados com a viagem de Denize e Lilian, por conta da Lei Aldir Blanc, cujos pagamentos ainda não foram liberados.

“Sem motivo algum, com nosso dinheiro e diárias caras e os artistas aqui aguardando liberação. Em um momento de pandemia isso é justo”, questionou.

A Lei Aldir Blanc também foi pauta da ida à Brasília, em reunião com a deputada Carmen Zanotto pediram a prorrogação da Lei, pois inicialmente os recursos disponibilizados – Balneário recebeu R$ 942.688,97 – precisariam ser utilizados até 31 de dezembro deste ano.

“Há municípios, inclusive da nossa região, que não conseguiram cumprir todos os prazos. Se prorrogarem, faremos mais editais, mas por agora não temos mais tempo hábil. Balneário fez sete editais, com o objetivo de utilizar todo o recurso, mas não conseguimos aprovar todos os artistas inscritos. Trabalhamos com dinheiro público e precisamos ter cuidado, há um comitê gestor, estamos sempre em contato com o procurador do município, temos responsabilidade com esse recurso”, explica.

- Publicidade -

Segundo Denize, o último edital foi finalizado no dia 3 de dezembro, e houve demora nele exatamente porque o Conselho da Cultura pediu que ele fosse prorrogado (as inscrições), e com essa prorrogação tudo atrasa – incluindo a lista de artistas aprovados e os pagamentos.

“Planejamos começar a pagar em breve, nesta e na próxima semana. O recurso todo não foi contemplado, porque de 140 propostas, tivemos 37 inscrições, mesmo assim elaboramos mais editais. Se não utilizarmos todo o valor, não será culpa da gestão, pois os próprios artistas não conseguiram se inscrever, mesmo assim fizemos editais coletivos para tentar ajudá-los. Eles reclamaram do excesso de burocracia, mas tiveram prazo longo para conseguirem. Estivemos trabalhando só em cima disso, nunca paramos o serviço na Fundação. Se a Lei for prorrogada, faremos mais editais, porque realmente não queremos que o recurso volte para o Governo Federal”, completa.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -