- Publicidade -
22 C
Balneário Camboriú

Crivella é preso a nove dias de deixar a prefeitura do Rio de Janeiro

- publicidade -

Leia também

Joe Biden assina decreto e reintegra país no Acordo Climático de Paris

Cumprindo uma promessa de campanha, o presidente americano, Joe Biden, acaba de assinar decreto que reintegra os Estados Unidos...

Janeiro Branco em Balneário Camboriú

Por Marlise Schneider Cezar e Renata Rutes A campanha Janeiro Branco, que neste ano segue a temática #TodoCuidadoConta, está em...

Bolsonaro envia carta a Biden e fala em parceria por proteção ao meio ambiente

O presidente da República, Jair Bolsonaro, enviou carta ao presidente eleito dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, para...

Na campanha pela reeleição, Crivella teve no combate à corrupção uma de suas bandeiras prioritárias.

Por Wilson Tosta

- Publicidade -

O Ministério Público do Rio e a Polícia Civil fluminense prenderam na manhã desta terça-feira, 22, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos). Ex-senador, ex-ministro da Pesca no governo Dilma Rousseff e bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Crivella é acusado de participação em um esquema de corrupção na Prefeitura do Rio, conhecido como “QG da Propina”. O prefeito foi detido por policiais em casa, a nove dias do encerramento do mandato.

“Foi o governo que mais atuou contra a corrupção”, declarou Crivella, ao chegar à Cidade da Polícia, no bairro do Jacarezinho, na zona norte do Rio, em rápida coletiva, pouco após as 6h30. Ele atribuiu a prisão a suposta “perseguição política” e disse esperar “justiça”.

Na mesma operação, foram presos o empresário Rafael Alves e o delegado aposentado Fernando Moraes, ex-vereador e que foi chefe da Divisão Antissequestro. O ex-senador Eduardo Lopes também é alvo da ação, mas não foi encontrado.

- Publicidade -

As prisões são desdobramento da Operação Hades. Segundo o MP do Rio, Alves receberia propina de empresas para, em troca, facilitar a assinatura de contratos e o pagamento de dívidas no Executivo municipal. Ele é irmão de Marcelo Alves, que foi presidente da Riotur. Os desvios seriam operados por um suposto “QG da Propina”.

Na campanha pela reeleição, sobretudo no segundo turno, Crivella teve no combate à corrupção uma de suas bandeiras prioritárias. Ele reafirmava que seu adversário Eduardo Paes (DEM), que o derrotou, iria para a cadeia, por corrupção durante seus dois mandatos na prefeitura, de 2009 a 2016.

Com o afastamento de Crivella da Prefeitura, o primeiro na linha sucessória é o presidente da Câmara de Vereadores do Rio, Jorge Felippe (DEM), uma vez que o vice na chapa vencedora em 2016, Fernando Mac Dowell, faleceu em 2018 vítima de um enfarte.

- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Balneário Camboriú prossegue em situação gravíssima para Covid-19

O Estado divulgou nesta quarta-feira a atualização da Matriz de Risco para Covid-19, com Balneário Camboriú e as demais...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -