- Publicidade -
21.8 C
Balneário Camboriú

Dólar ignora vacina e sobe a R$ 5,43 com risco fiscal do Brasil

Leia também

Greve dos petroleiros tem adesão em quatro Estados

A greve dos petroleiros da Petrobras, iniciada nesta sexta-feira, 5, teve adesões em quatro Estados: Espírito Santo, Amazonas e...

Azimut vai fabricar novas lanchas em Santa Catarina

Fábrica da Azimut Yachts em Itajaí prevê dobrar o volume de produção nos próximos três anos e com isso número de empregos (que atualmente é em torno de 400 pessoas) terá um acréscimo de cerca de 50%.

Efeito Bolsonaro nos mercados faz risco país disparar e pressiona dólar

A relação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com o mercado financeiro, que ajudou a elegê-lo em 2018, parece...

Por Altamiro Silva Junior

As notícias positivas sobre a vacina da AstraZeneca para combater o coronavírus animaram as bolsas pelo mundo, mas tiveram pouco efeito no mercado local de câmbio. O dólar chegou até a cair pela manhã, mas as preocupações fiscais tiveram peso mais determinante e a moeda americana voltou a subir ante o real, em dia também de altas nos emergentes, com a divisa da Turquia, outro país com problemas macroeconômicos, despencando mais de 3%.

- Publicidade -

A falta de novidades concretas sobre o ajuste fiscal em discursos do ministro da Economia, Paulo Guedes, foi recebida com desconforto pelas mesas de operação. Com a persistência do risco fiscal, participantes do mercado argumentam que mesmo o forte fluxo de capital externo que entra no país este mês não será suficiente para fazer o real se valorizar de forma sustentável. Só na Bolsa, já são R$ 26 bilhões, mas o efeito nas cotações tem sido localizado. “Até agora não houve anúncios oficiais sobre as medidas fiscais”, observam os economistas do JPMorgan, ressaltando que o Congresso nem começou ainda a discutir o Orçamento de 2021.

O dólar à vista fechou em alta de 0,88%, cotado em R$ 5,4330, após bater na máxima de R$ 5,45 no meio da tarde. No mercado futuro, o dólar para novembro fechou em alta de 1,12%, aos R$ 5,4410.

“O mercado vai querer ver para crer. O governo tem que priorizar o fiscal, fazer alguma coisa entre dezembro e janeiro. O ideal seria em dezembro, mas está muito complicado”, afirma o gestor e economista da JF Trust Gestão de Recursos, Eduardo Velho. “Tem que ter alguma saída. Nas últimas semanas, basicamente o Congresso ficou parado”, afirma ele, ressaltando que a briga para a presidente da Câmara e da Comissão Mista do Orçamento está atrasando o resto da agenda.

Sem avanços, mesmo com o fluxo forte que entra no País, o economista da JF ressalta que o real não consegue se fortalecer de forma sustentável, com efeito apenas pontual. “É um sinal de que tem outros problemas internos, que fazem manter um certo descolamento, e é a questão fiscal.” Sobre a proposta de Guedes de vender reservas cambiais para reduzir a dívida, o gestor da JF avalia a medida como positiva e factível, mas com o timing errado. Ao sinalizar esta intenção agora, o governo passa a impressão de não estar contando com outras medidas de ajuste fiscal. “O governo não pode priorizar instrumentos cambiais para adiar o ajuste, porque o mercado vai pedir prêmio mesmo que ele tire reservas cambiais.”

- Publicidade -

Sobre o real, os analistas do Bank of America observam que os preços da moeda brasileira são atrativos, mas investidores apontam que a volatilidade segue alta e falta clareza sobre tendência.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -