- Publicidade -
27 C
Balneário Camboriú

‘A culpa é de quem? É tudo minha?’, comenta Bolsonaro confuso sobre questões econômicas

- publicidade -

Leia também

Financiamento imobiliário cresce 72% em janeiro ante janeiro de 2020, diz Abecip

Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), os financiamentos imobiliários com recursos...

Faltou trabalho para 32,031 milhões de pessoas no País no fim de 2020

No trimestre terminado em dezembro de 2020, faltou trabalho para 32,031 milhões de pessoas no País, segundo os dados...

Dólar dispara e vai a R$ 5,51 mesmo com injeção de US$ 1,5 bi pelo BC

O câmbio teve novo dia de tensão, lembrando o pregão da última segunda-feira. A diferença é que naquele dia...

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou na manhã desta sexta-feira, 12, que os “problemas estão se avolumando” no País. Entre as questões, o presidente destacou a perda de poder aquisitivo de parte da população, a inflação “além do normal” nos produtos de primeira necessidade e o preço dos combustíveis. “A culpa é de quem? É tudo minha?”, argumentou Bolsonaro a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

Entre as preocupações do Executivo – que sofre pressão de setores do transporte, como caminhoneiros -, está o preço dos combustíveis e do gás de cozinha, impulsionados pela alta do petróleo.

- Continue lendo após a publicidade -

Pelas redes sociais, Bolsonaro lançou a proposta de que enviem a ele notas fiscais de postos de combustíveis com as alíquotas dos impostos federais e estaduais cobradas ao abastecer. Segundo o presidente, “mentem na nota fiscal”. “Falam que só eu estou cobrando imposto.”

“É igual ao gás de cozinha. Está em média R$ 90 reais. Está caro? Está. O pessoal cobra de mim. O preço lá na origem tá (sic) menos de R$ 40. O imposto federal, se eu não me engano, é R$ 0,16. Então, R$ 40 mais R$ 0,16 não justifica chegar a tanto, a R$ 90”, disse o presidente a apoiadores.

“São cartéis, cartéis poderosíssimos com dinheiro, com bilhões, contra mim”, justificou o presidente. “Alguns – que eu fico chateado pela ignorância – apontam: tem que resolver. Só com fuzil na mão, e ninguém quer fazer isso daí. Agora, nós vamos chegar lá, não adianta dar pancada em mim”, completou.

‘Pipoca daquela cadeira presidencial’

- Continue lendo após a publicidade -

O presidente do Brasil afirmou não ter “apego” à Presidência da República. Disse: “não tenho apego àquela pipoca daquela cadeira presidencial”.

E acrescentou: “É uma desgraça aquele negócio, mas é uma missão. Enquanto Deus permitir eu vou estar lá”, emendou.

Mercado financeiro

Bolsonaro também voltou a reforçar críticas ao mercado financeiro. “A bolsa e o dólar não reagem como a gente pensa”, afirmou.

Na quinta-feira, 11, durante transmissão semanal ao vivo, Bolsonaro disse que o governo quer “tratar da diminuição dos impostos num clima de tranquilidade e não num clima conflituoso no Brasil”. “E o pessoal do mercado, qualquer coisa que se fala aqui, vocês ficam aí irritadinhos na ponta da linha, né. Sobe dólar, cai a bolsa”, afirmou, durante live semanal.

Críticas ao isolamento

O presidente ainda voltou a criticar as políticas de isolamento a fim de conter a transmissão do novo coronavírus. “O problema não é só isso, combustível, não. Essa política do fica em casa, a economia a gente vê depois, bateram bastante em mim. Agora estão cobrando que estão desempregados. Quem mandou ficar em casa, fechou o comércio e destruiu empregos não fui eu”, completou.

- Publicidade -
- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Governo do Estado responde ao MP que não suspenderá atividades por 14 dias

(Assessoria Estado) - O Governo do Estado protocolou junto ao Ministério Público de Santa Catarina na manhã deste sábado,...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -