- Publicidade -
28 C
Balneário Camboriú

CNI: Confiança do Empresário cai em 26 dos 30 setores da indústria pesquisados

Leia também

Efeito Bolsonaro nos mercados faz risco país disparar e pressiona dólar

A relação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com o mercado financeiro, que ajudou a elegê-lo em 2018, parece...

Queda do PIB de 2020 é a 3ª maior da história e só perde para as de 1990 e 1981

A retomada econômica perdeu fôlego no último trimestre do ano passado, quando o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 3,2%...

Dólar sobe e vai a R$ 5,66 mesmo com intervenção do BC

Em novo dia de tensão no câmbio, o dólar bateu em R$ 5,73 nesta terça-feira, 2, obrigando o Banco...

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu em 26 dos 30 setores da indústria pesquisados em janeiro deste ano, na comparação com dezembro. Apesar desse recuo, o levantamento, divulgado nesta quarta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que todos os 30 setores da indústria considerados ainda se mantêm confiantes, com índices acima de 50 pontos.

O ICEI varia de zero a 100 pontos e valores acima de 50 pontos indicam que os empresários estão confiantes. Quanto mais acima dos 50 pontos, maior e mais disseminada é a confiança do setor, destaca a CNI.

- Publicidade -

Em janeiro, os únicos setores em que a confiança avançou foram o setor de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (alta de 1,4 ponto, para 61,4 pontos) e o setor produtos de madeira (alta de 1 ponto, para 65,6 pontos). Segundo a pesquisa, a confiança não mudou nos setores de máquinas e materiais elétricos (64,3 pontos) e veículos automotores (62,7 pontos).

Os setores com maiores quedas de confiança em janeiro foram: outros equipamentos para transporte (-10 pontos, para 53,7 pontos), equipamentos de informática, eletrônicos e ópticos (-6 pontos, para 58 pontos) e produtos de borracha (-4,8 pontos, para 61,4 pontos).

No geral, o ICEI de janeiro deste ano ficou em 60,9 pontos, queda de 4,4 pontos em relação a janeiro de 2020 (65,3 pontos) e de 2,2 na comparação com dezembro (63,1 pontos).

Segundo a CNI, os setores mais confiantes são: metalurgia (65,9 pontos), produtos de madeira (65,6 pontos), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (64,3 pontos), máquinas e equipamentos (62,9 pontos) e veículos automotores, reboques e carrocerias (62,7 pontos).

- Publicidade -

Os setores que registram menor confiança são: obras de infraestrutura (52,6 pontos), outros equipamentos de transporte (53,7 pontos), produtos de limpeza, perfumaria e higiene pessoal (54,4 pontos), bebidas (55,9 pontos) e confecção de artigos, vestuário e acessórios (56,3 pontos).

A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 15 de janeiro com 2.298 empresas, sendo 888 pequeno porte, 851 médio porte e 559 de grande porte.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Entidades ligadas à proteção de animais revisaram protocolo de atendimento, que ficou mais severo

A aprovação da Lei Sansão, que alterou a Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605) e que prevê punições...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -