- Publicidade -
24 C
Balneário Camboriú

Petróleo é commodity, cobrada em dólar e não há como fugir, diz Castello Branco

Leia também

Livro com registro inédito sobre a produção teatral em Itajaí será lançado nesta quinta

A história do teatro em Itajaí começou em 1897, no entanto, foi nas décadas de 1970 e 1980 que...

Foragido do RS é preso com arma e drogas em Balneário

Um homem de 34 anos, que estava foragido do RS por furto a caixa eletrônico, foi preso em Balneário...

Vereadores de Balneário Camboriú votarão hoje “calote” no fundo de saúde dos servidores municipais

A Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú votará nesta quarta-feira, 14, projeto do prefeito Fabrício Oliveira que pretende dar...

Minimercado do centro foi arrombado e furtado nessa madrugada

Um minimercado, localizado na Rua 2.000, foi arrombado e furtado na madrugada desta quarta-feira (14), em Balneário Camboriú. O...

Praça da Cultura receberá primeira empena de arte urbana da área central de Balneário Camboriú

A obra do artista Eduardo Vaso, em andamento na Praça da Cultura, ainda não está pronta, mas já vem...
- Publicidade -

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, defendeu nesta quinta-feira, 25, novamente a política de preços de combustíveis da estatal, a Política de Paridade Internacional (PPI), no foco das críticas de Jair Bolsonaro. “É surpreendente dedicarmos tanta atenção ao tema da PPI no século XXI. Petróleo é commodity, cobrada em dólar, não há como fugir”, afirmou em teleconferência sobre os resultados da companhia.

“A empresa ainda é muito endividada, em dólar; como conciliar com receita em real?”, disse o executivo, acrescentando que se o Brasil quer ser uma economia de mercado, tem que ter economia de mercado. “Preços abaixo do mercado geram consequências negativas”, comentou.

- Publicidade -

Como vem argumentando, novamente o presidente da Petrobras refutou que o combustível no País esteja caro, principalmente o óleo diesel. Segundo o executivo, pelo contrário, o valor cobrado no mercado interno está abaixo do da média global.

Ao ressaltar cortes de custos em sua gestão, destacou o plano de demissão voluntária (PDV), que contou com a adesão de 11 mil funcionários, dos quais 6 mil já deixaram a empresa.

O retorno aos acionistas ainda é “muito pobre”, afirmou Castello Branco. Segundo ele, “o caixa ao longo do tempo deve ser reduzido para melhorar a eficiência na alocação de capital”.

Castello Branco concluiu sua fala, então, elogiando os funcionários da companhia. “A empresa está numa trajetória excelente para ser a maior petrolífera com entrega de valor a acionistas”, disse.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -