- Publicidade -
23 C
Balneário Camboriú

Ressurgência do coronavírus deve continuar pesando sobre economia, diz BC

Leia também

Financiamento imobiliário cresce 72% em janeiro ante janeiro de 2020, diz Abecip

Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), os financiamentos imobiliários com recursos...

Faltou trabalho para 32,031 milhões de pessoas no País no fim de 2020

No trimestre terminado em dezembro de 2020, faltou trabalho para 32,031 milhões de pessoas no País, segundo os dados...

Dólar dispara e vai a R$ 5,51 mesmo com injeção de US$ 1,5 bi pelo BC

O câmbio teve novo dia de tensão, lembrando o pregão da última segunda-feira. A diferença é que naquele dia...

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou nesta quinta-feira, 21, que o recrudescimento da pandemia de covid-19 e as consequentes medidas restritivas têm pressionado a economia de diversos países da zona do euro no primeiro trimestre de 2021. Enquanto o setor industrial conseguiu manter um bom nível de atividade, o de serviços está sendo afetado severamente, ainda que menos em comparação à primeira onda da pandemia, disse a dirigente em coletiva de imprensa após decisão de política monetária da entidade.

Lagarde prevê que o PIB europeu tenha se contraído no quarto trimestre, enquanto a pressão causada pela covid-19 “apresenta alguns riscos negativos para as perspectivas econômicas de curto prazo”. Diante deste cenário, ela considerou necessária a manutenção de um amplo estímulo monetário para “preservar as condições financeiras favoráveis” na zona do euro.

- Publicidade -

“Ao ajudar a reduzir a incerteza e a aumentar a confiança, vamos encorajar os gastos dos consumidores e o investimento empresarial, apoiando a atividade econômica e salvaguardando a estabilidade de preços a médio prazo”, afirmou Lagarde, alertando para as incertezas quanto à dinâmica da pandemia e a velocidade das campanhas de vacinação.

Sobre as vacinas, Lagarde considera que elas trarão confiança na resolução da crise a longo prazo, o que não deve acontecer no curtíssimo prazo, uma vez que levará algum tempo até que a Europa atinja “imunidade generalizada”. Ela ainda não descartou a possibilidade de falhas no processo de vacinação.

“No médio prazo, a recuperação da economia da zona do euro deverá ser apoiada por condições de financiamento favoráveis, uma orientação orçamentária expansionista e uma recuperação da demanda, à medida em que as restrições são retiradas e a incerteza diminui”, afirmou a presidente do BCE.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -