- Publicidade -
22 C
Balneário Camboriú

Taxas de juros disparam com risco fiscal

- publicidade -

Leia também

Lojistas de shopping vão à Justiça para mudar índice de reajuste de aluguéis

Lojistas de shoppings centers voltaram a negociar revisão de seus contratos de aluguel, em discussões que começaram a chegar...

Dólar cai para R$ 5,31 em dia de otimismo com políticas de Biden e Copom

O dólar caiu nesta quarta-feira, 20, ante o real, em linha com os pares emergentes, à medida que o...

Crise gerada pela covid segura valor de aluguéis

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) disparou no ano passado, mas isso não mexeu...

Dólar tem nova alta e encosta em R$ 5,40 com exterior e risco fiscal

Por Mateus Fagundes

- Publicidade -

Os juros futuros encerraram a sessão regular em alta firme nesta quinta-feira, sob influência do temor de recrudescimento da crise fiscal no Brasil. O contrato para janeiro de 2022, o mais líquido, superou o nível de 3%, o que não ocorria no fechamento desde meados de dezembro.

O DI janeiro 2022 subiu de 2,949% no ajuste de quarta-feira para 3,030% (regular), na máxima do dia, e 3,020% (estendida). O janeiro 2023 avançou de 4,425% a 4,615% (máxima, fechamento da regular) e 4,605% (estendida). O janeiro 2025 saltou de 5,934% a 6,180% (máxima, regular) e 6,170% (estendida). O janeiro 2027 foi de 6,703% a 6,960% (regular e estendida). E o janeiro 2029 passou de 7,163% a 7,450% (regular) e 7,440% (estendida).

O debate fiscal brasileiro ganhou novo combustível depois de a Consultoria de Orçamento e Fiscalização da Câmara dos Deputados publicar nota técnica com uma proposta de mudança no teto de gastos da União.

- Publicidade -

Para Fabio Klein, da Tendências Consultoria Integrada, a proposta de flexibilização é “temerária, um desvio de rota”.

E a ideia vem em um momento em que a pressão por mais gastos sociais se amplia, à medida que a pandemia de covid-19 recrudesce. O Brasil bateu o nível de 200 mil mortes em decorrência da doença.

Na manhã desta quinta-feira, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) começou a coletar assinaturas para um requerimento em que defende uma convocação extraordinária do Congresso em janeiro. A intenção é votar um novo decreto de calamidade pública e a retomada do auxílio emergencial, além da universalização de uma vacina contra covid-19.

A disputa pelas presidências da Câmara e do Senado, porém, dificulta a possibilidade de uma votação em janeiro.

Em tempo, neste dia de forte estresse das taxas, o Tesouro foi a mercado para o primeiro leilão de prefixado e de LFT do ano.

Foram vendidas 16,8 milhões de LNT, ante oferta de 17,5 milhões, sendo 10 milhões para 1º/4/2022, 4,8 milhões de títulos para 1º/1/2023; e 2,032 milhões para 1º/7/2024. Já a de NTN-F foi aceita integralmente (3,8 milhões), sendo 3,5 milhões para 1º/1/2029 e 300 mil NTN-F para 1º/1/2031.

Já a oferta de 1 milhão de LFT foi absorvida também integralmente, sendo 152.150 papéis para 1º/3/2022 e 847.850 para 1º/3/2027.

Dólar tem nova alta e encosta em R$ 5,40 com exterior e risco fiscal
Por Altamiro Silva Junior
O dólar teve pregão de fortalecimento generalizado no mercado internacional, após dias de queda, quando testou as mínimas em quase 3 anos. Ante o real, voltou a superar os R$ 5,40, em meio a novo desconforto com a situação fiscal do Brasil, com pressão em Brasília para aumentar gastos sociais diante do avanço da pandemia e flexibilizar o teto. Com isso, a moeda americana encerrou a quinta-feira no nível mais alto desde 16 de novembro (R$ 5,43) e foi grande a expectativa nas mesas de operação para atuação do Banco Central, o que acabou não ocorrendo.

No fechamento, o dólar à vista terminou o pregão em alta de 1,82%, cotado em R$ 5,3990. No mercado futuro, o dólar para fevereiro subiu 1,76%, a R$ 5,4150.

“A recuperação econômica melhor do Brasil se deu graças a um custo fiscal substancial”, observa o estrategista do banco Société Générale, Dev Ashish. Assim, ele destaca que o espaço para elevar os gastos fiscais em 2021 é “não existente”, ou seja, a situação que já é delicada e pior que outros emergentes, pode ficar ainda mais fragilizada, por isso a preocupação dos mercados, que tem se refletido no câmbio e na curva longa de juros, enquanto a Bolsa tem renovado recordes, hoje superando os 121 mil pontos.

E nesta semana, o noticiário fiscal não vem ajudando, segundo o mercado financeiro. O deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), candidato à presidência da Câmara, defende prorrogar o auxílio emergencial ou aumentar o Bolsa Família, por causa do crescimento dos casos de coronavírus. Ao mesmo tempo, o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) revelou que a Consultoria de Orçamento e Fiscalização da Câmara dos Deputados propõe uma mudança no teto de gastos da União.

O economista do Instituto Internacional de Finanças (IIF), Robin Brooks, comenta que os participantes do mercado estão vendo a situação fiscal do Brasil com o risco de a dívida ficar “fora de controle”. O resultado é o real muito desvalorizado. O IIF estima que o preço justo da moeda brasileira é ao redor de R$ 4,50.

“O dólar se descolou da onda azul”, destacam os estrategistas de moedas do banco Brown Brothers Harriman (BBH) ao comentar o Congresso controlado pelos democratas em Washington. Enquanto as bolsas em Nova York tiveram dia de recordes, a moeda americana teve pregão de recuperação, influenciada pela elevação dos juros dos Treasuries.

O euro subiu ajudado por indicadores europeus mais positivos, enquanto os investidores buscaram risco com a perspectiva de mais estímulo fiscal nos EUA e mais crescimento econômico. O Goldman Sachs elevou hoje a projeção de crescimento americanos este ano de 5,9% para 6,4% e prevê novo pacote de US$ 750 bilhões neste primeiro trimestre.

- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Balneário Camboriú prossegue em situação gravíssima para Covid-19

O Estado divulgou nesta quarta-feira a atualização da Matriz de Risco para Covid-19, com Balneário Camboriú e as demais...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -