- Publicidade -
23 C
Balneário Camboriú

Antônio Furlan é eleito prefeito de Macapá com 55,7% dos votos

Leia também

Ibope/Macapá: Dr. Furlan (Cidadania) tem 54% dos votos válidos e Josiel (DEM) 46%

Por Nicholas Shores Pesquisa do Ibope sobre intenções de voto na eleição à prefeitura de Macapá (AP) mostra o...

Macapá terá 2º turno nas eleições entre Josiel Alcolumbre e Furlan

A eleição para a prefeitura de Macapá será decidida no segundo turno entre os candidatos Josiel Alcolumbre (DEM)...

Na UTI com covid, Maguito Vilela não sabe que foi eleito em Goiânia

Por Vinícius Valfré Internado e sem saber da vitória, Maguito Vilela (MDB) foi eleito neste domingo, 29, prefeito de...

Dos 17 candidatos a prefeito que tiveram o apoio de Bolsonaro, 13 perderam as disputas.

Por Amanda Pupo

- Publicidade -

O médico e deputado estadual Antônio Furlan (Cidadania) foi eleito prefeito de Macapá (AP) neste domingo, 20, com 55,7% dos votos, dentro de 99,4% das urnas apuradas, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O pleito para a prefeitura da cidade foi adiado após o Estado do Amapá enfrentar uma grave crise no abastecimento de energia por cerca de três semanas.

O eleito derrotou Josiel Alcolumbre (DEM), irmão do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Josiel ganhou o apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro, que sofreu importante derrota nas eleições municipais deste ano.

Dos 16 candidatos a prefeito que tiveram o apoio de Bolsonaro, 12 perderam as disputas. Agora, Josiel se soma à lista.

O envolvimento do presidente do Senado e a crise energética projetaram nacionalmente a disputa em Macapá. Josiel liderou as intenções de voto ao longo de toda a campanha mas perdeu tração com o apagão no Estado. Foram quatro dias de apagão e um racionamento por cerca de 20 dias até que a situação do abastecimento se normalizasse.

- Publicidade -

O irmão de Davi Alcolumbre chegou a alcançar 31% dos votos válidos em uma pesquisa do Ibope divulgada no fim de outubro. Sua pontuação caiu para 26% em novembro, no auge do apagão.

Os adversários responsabilizaram o governo federal pela pane, e associam o senador e seu irmão a Bolsonaro. Em vídeo que circulou neste sábado, 19, Bolsonaro pediu voto para Josiel e afirmou que o candidato do DEM seria um prefeito “perfeitamente afinado com o presidente da República”.

“Eu peço a você que está indeciso, que leve em conta primeiro quem está do outro lado, qual é o senador que está apoiando a outra chapa, que sempre atrapalhou a gente”, afirmou Bolsonaro, em referência a Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que apoiou Dr. Furlan. “Neste momento, eu peço a você, do fundo do coração: vote em Josiel para prefeito de Macapá. Um prefeito perfeitamente afinado com o presidente da República”, emendou.

O resultado mostra uma inversão do primeiro turno. Na ocasião, Josiel tinha obtido 59.511 (29,47%) votos válidos contra 32.369 (16,03%) de seu opositor.

O candidato do Cidadania recebeu o apoio de Podemos e PRTB e o “voto crítico” de PSB e Rede para enfrentar a ampla coligação de Josiel. Já o irmão de Davi Alcolumbre recebeu apoios tanto do atual prefeito, Clécio Luis, quanto do governador Waldez Góes (PDT).

O atual prefeito, que termina seu segundo mandato, teve um desentendimento com seu próprio partido após declarar sua torcida a Josiel. Clécio pediu a desfiliação da Rede Sustentabilidade em agosto após sofrer críticas internas de correligionários que desaprovaram sua decisão, e atualmente está sem partido.

Como já mostrou o Broadcast Político, nos bastidores, a versão corrente é que a prefeitura de Macapá era peça importante para as próximas jogadas do xadrez político dos Alcolumbre. Se o irmão pudesse ficar à frente do executivo municipal, o presidente do Senado teria mais força para concorrer à reeleição na Casa – o que agora está barrado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) -, ou tentar o governo do Estado, após uma tentativa frustrada em 2018.

Com a negativa do STF, Alcolumbre tenta emplacar um candidato seu na presidência do Senado. Como mostrou o Broadcast Político, o parlamentar busca atrair apoio para a candidatura do líder do DEM, Rodrigo Pacheco (MG), mas o nome é questionado dentro das maiores bancadas. A disputa está marcada para fevereiro.

Na semana passada, Alcolumbre esteve com Bolsonaro no Palácio do Planalto e sinalizou que caminharia para definir um candidato fora do MDB. O senador conseguiu aceno de Bolsonaro para apoiar o “ungido” e fazer seu próprio sucessor. No entanto, a escolha alinhada com o governo antes de consultar líderes partidários causou incômodo.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Restam apenas 6 leitos de UTI em hospitais públicos de Itajaí e Balneário Camboriú

Apesar do cenário desesperador, que afeta todo o Estado, grupos de empresários continuam se movimentando para pressionar o judiciário e o governador contra restrições ao funcionamento das empresas.
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -