- Publicidade -
21 C
Balneário Camboriú

Fluminense bate Bahia e se aproxima do São Paulo na luta por vaga na Libertadores

Leia também

Palmeiras bate Grêmio por 2 a 0, fatura Copa do Brasil e alcança a tríplice coroa

Por Ciro Campos Virou rotina ver o Palmeiras campeão na temporada 2020. Menos de 40 dias depois de conquistar a...

São Paulo só precisa do segundo tempo para golear o Santos pelo Paulistão

O São Paulo precisou de apenas um tempo, o segundo, para atropelar o Santos, neste sábado, no Morumbi. Goleou...

Fluminense e Botafogo também se manifestam contra a volta de público aos estádios

A ideia de ter o retorno do público no Campeonato Carioca não encontrou apoio entre três dos quatro principais...

O Fluminense venceu o Bahia, nesta quarta-feira, na Fonte Nova, em Salvador, em duelo válido pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro e se aproximou do São Paulo na briga por uma vaga na fase de grupos da Copa Libertadores. O time carioca chegou aos 56 pontos, em quinto lugar, enquanto o rival paulista soma 58. Já os baianos continuam com 36, na 15ª colocação e vai brigar muito nas últimas rodadas para fugir da Série B em 2021.

Apesar de estar na Fonte Nova, o Bahia começou o jogo com uma postura de contra-ataque. O Fluminense aproveitou para adiantar a sua marcação, ficar com a posse de bola, mas Nenê era o único jogador com talento e tranquilidade para armar as jogadas.

- Publicidade -

Logo aos sete minutos, Fred teve um gol justamente anulado, pois estava em posição de impedimento. Depois disso, as equipes abusaram do direito de errar passes, deixando a troca de golpes apenas nas intermediárias. Os dois goleiros foram espectadores privilegiados nos primeiros 25 minutos de disputa.

Apesar do domínio do jogo, a primeira jogada só veio aos 26. Luis Henrique arrancou pela direita e cruzou para Lucca bater colocado e errar por pouco. Na sequência, o Bahia tentou com Ramirez e João Pedro, ambas de longe, mas não houve sucesso.

A melhor qualidade técnica do Fluminense fez a diferença aos 31 minutos. Nenê cruzou com categoria para área e Luiz Henrique, apesar de ter apenas 20 anos, mostrou tranquilidade e categoria para finalizar uma bola que quicou em cima dele: 1 a 0.

A segunda etapa começou totalmente diferente. Preocupado para fugir dos últimos lugares no Brasileirão, o Bahia foi para a frente, enquanto o Fluminense passou a jogar nos erros do adversário.

- Publicidade -

Sem poder ofensivo, o Bahia ameaçou em bolas paradas. Gilberto tentou de falta, aos sete minutos, e obrigou o goleiro Marcos Felipe a fazer boa defesa. Já o Fluminense viveu da boa fase dos veteranos Nenê e Fred. Em jogada da dupla, o centroavante quase ampliou de cabeça, aos 11.

E se o primeiro tempo teve raros momentos de emoção, o segundo, com a bola nos pés do Bahia, foi ainda mais monótono. O capitão Ronaldo, por várias vezes, fazia sinal para os seus companheiros pela falta de movimentação e criatividade.

Como não foi agredido, o Fluminense foi um pouco à frente e Yago Felipe finalizou fraco para a defesa fácil de Anderson, aos 26 minutos. John Kennedy também arriscou aos 38.

Enquanto isso, o Bahia reservou seu ataque para o fim do jogo. Assustou com Ernando aos 43 minutos e Alesson aos 48. Nas duas oportunidades, Marcos Felipe fez belas defesas. No geral, sua atuação ratificou a condição de um grande candidato ao rebaixamento.

FICHA TÉCNICA

BAHIA 0 X 1 FLUMINENSE

Bahia – Anderson; João Pedro (Zeca), Ernando, Lucas Fonseca e Juninho Capixaba; Gregore, Ronaldo (Gabriel Novaes), Daniel (Fessin), e Juan Ramírez (Ramon); Thiago Andrade (Alesson) e Gilberto. Técnico: Dado Cavalcanti.

Fluminense – Marcos Felipe; Calegari, Nino, Luccas Claro e Egídio; Martinelli (André), Yago Felipe, Nenê (Hudson); Luiz Henrique (Michel Araújo), Fred (Caio Paulista) e Lucca (John Kennedy). Técnico: Marcão.

ÁRBITRO – Flavio Rodrigues de Souza (SP).

CARTÕES AMARELOS – Nino, Juninho Capixaba.

RENDA E PÚBLICO – Jogo disputado com portões fechados.

LOCAL – Fonte Nova.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Executivos miram curso de programação para liderar equipes e dar ‘up’ na carreira

Depois de oito anos trabalhando na área de tecnologia, o executivo Daniel Topper viu que era o momento de...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -