- Publicidade -
24 C
Balneário Camboriú

Aras questiona no STF flexibilização de licença para mineração em Santa Catarina

Leia também

A força feminina na construção civil

Neste Dia Internacional da Mulher, dois cases inspiradores para mostrar o lugar de mulher é onde ela quiser.

Após ‘mimimi’, Bolsonaro diz que ‘vírus do pavor’ foi inoculado na população

Horas após dizer que "chega de frescura e de mimimi" com a pandemia de covid-19, o presidente Jair Bolsonaro...

País tem média móvel de 1.361 óbitos por covid e bate 6º recorde seguido

O texto enviado anteriormente estava com o título incorreto, segue texto corrigido: A média móvel de óbitos por covid-19 no...

O procurador-geral da República, Augusto Aras, questionou no Supremo Tribunal Federal a norma de Santa Catarina que dispensa ou simplifica o licenciamento ambiental de parte das atividades de mineração no Estado. Segundo o chefe do Ministério Público Federal, Estados e municípios podem regular somente atividades de pequeno potencial de impacto ambiental, o que não é o caso da mineração. A ação foi distribuída à ministra Cármen Lúcia.

De acordo com o Código do Meio Ambiente de Santa Catarina, estão dispensadas de licença ambiental as atividades de lavra a céu aberto por escavação de cascalheiras com produção anual inferior a 12.000 metros cúbicos.

- Publicidade -

O texto também simplifica o processo de licenciamento para produção de até 24.000 metros cúbicos, desde que não haja finalidade comercial, e fixa prazo de 90 dias a partir do encerramento da atividade de mineração para apresentação de projeto de recuperação ambiental.

Ao pedir liminar para suspender a eficácia dos dispositivos contestados, Aras aponta o risco de ‘danos irreparáveis’ ao meio ambiente.

As informações foram divulgadas pelo STF.

Segundo o PGR, a norma de Santa Catarina viola artigo da Constituição Federal que exige a elaboração de estudo de impacto ambiental antes da instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente.

- Publicidade -

O chefe do MPF ressalta a competência concorrente atribuída à União, aos estados e aos municípios na regulação de questões relacionadas ao tema, cabendo à primeira a elaboração de normas gerais e aos demais a possibilidade de regulação suplementar, de acordo com as peculiaridades regionais.

Em respeito aos princípios da precaução e da prevenção, o procurador-geral sustenta que o processo de licenciamento ambiental é ‘necessário e inafastável’.

Segundo Aras, a regulação por estados e municípios cabe somente em relação a atividades de pequeno potencial de impacto ambiental, e a mineração é reconhecida na legislação federal como de alto potencial de degradação.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Grêmio encerra preparação e pode ter mudanças para final contra o Palmeiras

O Grêmio encerrou na manhã deste sábado, em Atibaia, a preparação para o jogo de volta da final da...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -