- Publicidade -
22 C
Balneário Camboriú

É preciso cobrar do governo federal postura sobre outras vacinas, diz Doria

Leia também

Entidades ligadas à proteção de animais revisaram protocolo de atendimento, que ficou mais severo

A aprovação da Lei Sansão, que alterou a Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605) e que prevê punições...

Leitor denuncia carro do Governo do Estado estacionado sobre faixa de segurança em Balneário Camboriú

Um leitor procurou o Página 3 para denunciar um carro do governo do Estado que teria estacionado por mais...

Associação Médica Mundial: Bolsonaro colaborou com aumento de mortes, diz diretor

Em 2018, quando eleito presidente da Associação Médica Mundial (WMA), entidade que produz orientações relacionadas ao trabalho dos médicos,...

Em um novo capítulo da guerra das vacinas travada entre o governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente da República, Jair Bolsonaro, Doria disse que é hora de cobrar do governo federal e do Ministério da Saúde “onde estão as outras vacinas”.

Durante coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira, 18, o governador paulista não chegou a responder às críticas do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que o acusou de realizar “um ato de marketing”, com a vacinação realizada no domingo no Estado.

- Publicidade -

Mas ressaltou: “É curioso que o governo que defendia explicitamente, enfaticamente, a vacina de Oxford (…) hoje silencia”, e continuou “curioso também que aquela aeronave que foi adesivada com o slogan do governo federal como parte do marketing do governo federal continua parada no aeroporto, não se sabe onde, se em Recife ou em São Paulo, para buscar uma vacina que não existe.”

Segundo Doria, é preciso cobrar do governo federal e do Ministério da Saúde uma postura mais responsável com relação às vacinas.

No período da manhã, durante conversa com apoiadores no palácio da Alvorada, o presidente da República, Jair Bolsonaro, disse que a “vacina é do Brasil”, em referência à Coronavac, imunizante produzido pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac. “Não é de nenhum governador, não”, afirmou o presidente.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Com mais 94 mortes Santa Catarina e região de Balneário Camboriú seguem sem leitos de UTI

Apesar da morte de 44 catarinenses por falta de atendimento, o governador Carlos Moisés e os prefeitos continuam agindo de maneira irresponsável.
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -