- Publicidade -
22 C
Balneário Camboriú

Luteranos de Balneário Camboriú se mobilizam para ajudar desabrigados de Presidente Getúlio

Leia também

“É uma atitude drástica que precisava ser tomada”, diz secretária de Saúde sobre o lockdown

A secretária de Saúde de Balneário Camboriú, Leila Crócomo, disse que apesar de ‘drástica’, a atitude do governo do...

Guarda Ambiental resgata cão ferido: Viva Bicho pede ajuda para o tratamento

Um cão foi resgatado pela Guarda Ambiental na quinta-feira (25), em Balneário Camboriú, e encaminhado ao abrigo da ONG...

Fogo consome caminhão em Balneário Camboriú, veja o filme

Um incêndio em um caminhão pouco antes das 6h desta sexta-feira cobriu parte da zona sul de Balneário Camboriú...

A comunidade luterana de Balneário Camboriú está movimentando seus grupos de trabalho e a população em geral, para ajudar as famílias desabrigadas de Presidente Getúlio e Ibirama, vitimadas por fortes chuvas na noite de quarta-feira (16), através de doações de gêneros de primeira necessidade e também valores em dinheiro.

O Pastor Tiago Winkel, da comunidade de Presidente Getúlio, disse que quatro casas de famílias luteranas foram duramente atingidas resultando na morte de 12 pessoas.

“Eram pessoas da linha de frente da comunidade e da área de música também”, acrescentou.

- Publicidade -

As doações de gêneros podem ser entregues até a manhã de domingo (20), na igreja luterana Martin Luther, que fica na Rua Indonésia, 220, na subida do Cristo Luz.

As doações em dinheiro podem ser depositadas em uma conta corrente que a comunidade luterana de Presidente Getúlio disponibilizou:

Banco: Viacredi Alto Vale (085)
Agência: 0115-5
Conta Corrente: 296856
CNPJ: 79.368.973/0001-38

Os recursos serão administrados pela Comunidade, sob acompanhamento da Diretoria Sinodal.

- Publicidade -

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Restam apenas 6 leitos de UTI em hospitais públicos de Itajaí e Balneário Camboriú

Apesar do cenário desesperador, que afeta todo o Estado, grupos de empresários continuam se movimentando para pressionar o judiciário e o governador contra restrições ao funcionamento das empresas.
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -