- Publicidade -
28 C
Balneário Camboriú

Nova direção da Rede Feminina aposta em mais doações para manter atendimentos durante pandemia

Leia também

Encontro do Anjos da Vida aborda abuso sexual nesta segunda

O Grupo de Estudos e Apoio à Adoção Anjos da Guarda, de Balneário Camboriú, convida para o encontro do...

Justiça suspende aulas presenciais no Rio Grande do Sul durante ‘bandeira preta’

A Justiça do Rio Grande do Sul suspendeu as aulas presenciais das redes pública e privada do Estado durante...

“É uma atitude drástica que precisava ser tomada”, diz secretária de Saúde sobre o lockdown

A secretária de Saúde de Balneário Camboriú, Leila Crócomo, disse que apesar de ‘drástica’, a atitude do governo do...

A Rede Feminina de Combate ao Câncer de Balneário Camboriú completa duas décadas de trabalho este ano. A nova direção, que assumiu no primeiro dia deste ano, está planejando como esta data importante será comemorada em tempos de pandemia. O tradicional chá que a Rede realiza todos os anos está nos planos, mas terá que ser diferente, por causa da pandemia. 

A presidente da Rede, Izilda Silva Pereira, 55, paranaense de Nova Aurora, que reside em Balneário Camboriú desde 2001, frequenta a instituição há quatro anos e acompanhou de perto as dificuldades impostas pela pandemia.

- Publicidade -

“Neste ano de pandemia, posso falar como voluntária, como atendente que fui em 2020, a Rede fechou várias vezes por causa dos picos da Covid e junto com os atendimentos, também pararam o Brechó, o Artesanato, os eventos, todas as ações que ajudam a Rede financeiramente pararam ou ficaram restritas. Fomos nos virando para segurar as pontas”, comentou. 

A Rede recebe repasse de verbas da prefeitura e de alguns parceiros, o que ajudou a equilibrar a situação financeira, mas Izilda adiantou que no planejamento de ações para este ano, faz parte buscar mais parceiros, empresários que possam contribuir e ajudar na manutenção da instituição.

“Foram feitas campanhas online, inclusive o tradicional pedágio, mas este ano queremos planejar, programar com antecedência, porque esta pandemia pode demorar ainda, o que não foi possível fazer ano passado, porque tudo era novo”, segue Izilda.

Voluntárias

Atualmente a Rede tem cerca de 80 voluntárias cadastradas, mas por causa da idade (grupo de risco), apenas 15 estão na ativa. Por isso uma das grandes dificuldades que a pandemia trouxe é a falta de voluntárias.

- Publicidade -

“Hoje estamos com duas de manhã e duas à tarde, mas quando surgem imprevistos é complicado, porque não temos como substituir. Seria muito importante encontrar uma voluntária, uma funcionária, uma estagiária, alguém que pudesse estar ali todos os dias, ajudaria muito. Mas eu sei que isso é um sonho”, enfatizou.

Atendimentos agendados

Hoje a Rede tem quatro funcionárias: duas enfermeiras, a secretária e a zeladora. 

“Por este motivo estamos agendando os atendimentos e ligando para as pacientes para marcar hora e assim evitar aglomerações na espera, porque a demanda é grande.

Os atendimentos seguem todos os protocolos e acontecem de segunda a sexta, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h.

Assistência

Além dos atendimentos, a Rede presta assistência de várias formas para as pacientes e suas famílias. As que estão em tratamento oncológico, recebem cestas básicas e atendimento de psicologia, fisioterapia, massoterapia, em alguns casos, reiki e acupuntura também. 

“Nossa assistência não é só para as que estão em tratamento, mas também para as que fazem exames na Rede e precisam de ajuda. Nossa assistente social está sempre correndo atrás para conseguir, Maristela, que também é a vice-presidente, não tira férias, não pára nunca, para poder suprir a demanda da assistência”, contou a presidente.

Diretoria

  • Presidente: Izilda Silva Pereira;
  • Vice-presidente: Maristela Koche Rigueira;
  • Primeira secretária: Serly Inês Fortes Brum;
  • Segunda secretária: Elza Yunes Portiolli Rodrigues;
  • Primeira tesoureira: Vera Lucia Dagnoni Notari;
  • Segunda tesoureira: Ildenei Bernardete Rotta Feres
Izilda, presidente da Rede
- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

É iminente o colapso generalizado do sistema de saúde do País

18 Estados já têm mais de 80% de UTIs lotadas e secretários querem lockdown
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -