- Publicidade -
29 C
Balneário Camboriú

Saúde prevê início de vacinação nas capitais de ‘3 a 5 dias’ após aval da Anvisa

- Publicidade -
- publicidade -

Leia também

Brasileiro se adapta a ‘novo normal’

A loja de galeria que agora sobrevive com e-commerce, a vaquinha virtual durante a live do artista favorito e...

Dono de food trucks espera volta de eventos

O empresário Celso Oliveira, de 45 anos, contava com os eventos corporativos, em que instalava food trucks de alimentação,...

Gestão Bolsonaro cancelou compra de avião que poderia ajudar Manaus

Quando disse que a FAB não tinha mais Boeings que poderiam levar suprimentos a Manaus, o vice-presidente Hamilton Mourão...

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira, 13, que prevê o início simultâneo da vacinação contra a covid-19 em todas as capitais de “3 a 5 dias” após o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A pasta disse que o tempo é necessário para que as doses sejam divididas em lotes e enviadas para as maiores cidades de cada Estado, de forma que “ninguém fique para trás”.

As informações foram divulgadas em entrevista coletiva concedida à imprensa. O início simultâneo em todas as capitais, previsto pelo ministério, contrasta com a intenção do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que disse querer começar aplicar as doses imediatamente após a aprovação, o que pode ocorrer no próximo domingo, 17.

- Publicidade -

“Por que queremos começar com todos ao mesmo tempo? Temos um mote de que ninguém ficará para trás. No SUS, há o princípio da equidade e o da universalidade, de atender a todos”, disse o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco. “O Butantan e a Fiocruz são motivos de orgulho, mas não podemos tratar brasileiros de formas diferentes. Ninguém estará seguro até que todos estejam seguros”, completou.

Questionado sobre a possibilidade de São Paulo e Rio de Janeiro terem de esperar para começar a vacinação, já que poderão estar com as vacinas em seu território, Franco disse que os Estados não estão “perdendo (tempo)”, “o Brasil é que está ganhando”. Atualmente, seis milhões de doses estão sob guarda do Instituto Butantan, que por determinação da Anvisa não pode antecipar a distribuição “por uma questão legal”, informou o ministério.

A intenção de aguardar a chegada da vacina a todos os Estados não representa que as doses estarão em todos os municípios, explicou o ministério. Franco justificou o plano para as capitais em razão das dificuldades de transporte e logística que levar a vacina a todos os 5.570 municípios poderia ter. Mas esclareceu que a capilaridade vai aumentar exponencialmente ao longo dos dias. “A simples aprovação da Anvisa não nos permitiria, num estalar de dedos, fazer a vacina chegar a todos os postos de vacinação”, disse o secretário.

- Publicidade -

O Estadão/Broadcast mostrou que o ministério planeja marcar o começo da vacinação no País em um evento no Palácio do Planalto, apesar de o próprio presidente Jair Bolsonaro afirmar que não pretende ser imunizado. A ideia é realizar a primeira imunização no País na próxima terça-feira, dia 19, data em que governadores devem estar em Brasília para participar de reunião com o ministro Eduardo Pazuello.

- Publicidade -
- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Brasileiro se adapta a ‘novo normal’

A loja de galeria que agora sobrevive com e-commerce, a vaquinha virtual durante a live do artista favorito e...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -