- Publicidade -
15.6 C
Balneário Camboriú

Twitter marca ‘enganoso’ em post de Bolsonaro

- publicidade -

Leia também

Por um voto, CCJ barra projeto que possibilitaria impeachment de ministros do STF

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara rejeitou por apenas um voto um projeto que cria a...

Em 2019 Paulo Gustavo apareceu de surpresa em cinema de Balneário Camboriú

Relembre a nota da colunista social, Sonia Tetto, de 02/01/2020. "O ator Paulo Gustavo “invadiu” uma sala de cinema do...

Varejistas europeus ameaçam boicote a produtos do Brasil por risco à Amazônia

Uma nova ameaça de boicote a produtos agropecuários do Brasil foi feita por redes de grandes supermercados e produtores...

Italo Ferreira chega às quartas de final em Margaret River; Medina é eliminado

O mar de Main Break voltou a subir nesta quinta-feira, o que permitiu o retorno das disputas da etapa...

Professora do colégio Maria da Glória, agredida por mãe de aluna em 2019, será indenizada

Uma professora de Química, que foi agredida pela mãe de uma aluna na saída da Escola de Educação Básica...

O Twitter marcou como “enganosa” uma postagem do presidente Jair Bolsonaro que citava supostos estudos clínicos sobre tratamento precoce para covid-19. Cientistas alertam que esse tipo de tratamento não tem eficácia comprovada.

A plataforma informou que a postagem “violou as regras do Twitter sobre a publicação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à covid-19”. Apesar disso, o Twitter determinou que “pode ser do interesse público que esse Tweet continue acessível”, e por isso, o post continua no ar.

- Continue lendo após a publicidade -

Em meio à revolta com o colapso em Manaus por falta de oxigênio para pacientes com covid-19, Bolsonaro publicou nesta sexta-feira, 15, um vídeo do jornalista Alexandre Garcia falando sobre o suposto tratamento precoce, acompanhado de um texto alegando que o uso de medicamentos pode “reduzir a progressão da doença, prevenir a hospitalização e estão associados à redução da mortalidade”.

O presidente chegou a dizer que precisou intervir em Manaus porque a cidade não estava fazendo “tratamento precoce”, defendendo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que deu declarações nesse sentido, apesar da falta de evidências da eficácia desses medicamentos.

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro tem publicações em redes sociais marcadas como falsas ou enganosas. Em abril do ano passado, em meio ao primeiro pico da doença no País, o Instagram marcou uma publicação do presidente, que continha informações erradas sobre o número de mortes por covid-19 no Ceará, com um “alerta de fake news”.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

- Publicidade -
- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
×

Olá, leitor

Sugestões de pautas, informações em geral.

×