- Publicidade -
19 C
Balneário Camboriú

Balneário Camboriú comemora os 10 anos do seu Festival Internacional de Cinema

A edição comemorativa é gratuita e estará disponível online na plataforma "Belas Artes À La Carte" para todo Brasil a partir dessa segunda-feira (19)

O Festival Internacional de Cinema de Balneário Camboriú celebra 10 anos e oferece 12 dias de exibições de 38 obras de longa e curta-metragem, selecionados e premiados em edições anteriores do evento, além de também terem sido reconhecidos em festivais como Berlim, Roterdã, San Sebastian, Cannes, Locarno, Sundance e muitos outros. Os filmes são exclusivos e inéditos, em plataformas online e a programação completa pode ser conferida no site  www.festivalbc.com, onde o interessado encontra trailers, pôsteres, fotos e outras informações sobre os filmes selecionados.

A edição comemorativa de 10 anos de FICBC começa no dia 19 e segue até 30 de abril de 2021, com exibições gratuitas na plataforma mais cinéfila do Brasil – Belas Artes À La Carte, um streaming de filmes pensado para quem ama cinema de verdade –  www.belasartesalacarte.com.br. A plataforma possui aplicativos disponíveis para Android, Android TV, IOS, Apple TV e Roku. Baixe BELAS ARTES À LA CARTE na Google Play , App Store e dispositivos Roku.

Preocupada em fazer um recorte diversificado de filmes que foram exibidos ao longo de 10 anos durante o FICBC, a curadoria selecionou filmes de mostras como a Internacional – que apresentam filmes estrangeiros e brasileiros com o melhor cinema contemporâneo, a Vivo – com um olhar aprimorado a novas tendências e experiências do audiovisual, e a Catarina – que apresenta talentos catarinenses para todo o brasil.

O projeto foi selecionado pelo PRÊMIO DE FOMENTO À CULTURA – LEI EMERGENCIAL ALDIR BLANC N° 011/2020, executado com recursos do Governo Federal.

FILMES SELECIONADOS

INTERNACIONAL

Longa-Metragens:

Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios, de Beto Brant e Renato Clasc
A Lição, de Kristina Grozeva e Petar Valchanov

Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios, de Beto Brant e Renato Clasca (I’d Receive the Worst News from Your Beautiful Lips, 100min, Brasil)

O Verão Lá Fora, de Friederike Jehn (Draussen ist Sommer, Alemanha, 91min)

A Lição, de Kristina Grozeva e Petar Valchanov (Urok, Bulgária, 110min)

Soldados Jeannette, de Daniel Hoesi (Soldate Jeannette, Áustria, 91min)

Blitz, de Rene Tada Brasil (Blitz, Brasil, 86min)

Aleksi, de Barbara Vekaric (Aleksi, Croácia, 90min)

Celeste, de Ben Hackworth (Celeste, Austrália, 106min)

Pequena Cidade em Wisconsin, de Niels Mueller (Small Town Wisconsin, EUA, 109min)

Bugarach, de Ventura Durali, Salvador Sunyer e Sergi Cameron (Bugarach, Espanha, Alemanha e Inglaterra, 95min)

Colombia Era Nossa, de Jenni Kivistö e Jussi Rastas (Colombia In My Arms, Finlândia, Noruega, Dinamarca, França e Colombia, 91min)

A Idade Atômica, de Héléna Klotz (L’âge Atomique, França, 67min)

Curta-Metragens:

Lar e Um Arquivo Distante, de Dorothy Cheung
A Mulher, Nicolás Dolensk
  • Lar e Um Arquivo Distante, de Dorothy Cheung (Home and a Distant Archive, Holanda e Hong Kong, 24min)
  • Acabarei na Prisão, de Alexandre Dostie (I’ll End Up in Prison, 22min, Canadá)
  • Babás, de Consuelo Lins (Babás, Brasil, 20min)
  • Em Segundo, de Rosarío Cervio (Las Segundas, Argentina, 4min)
  • A Primeira-Dama de Dubrava, de Barbara Vekaric (Prva dama Dubrave, Croácia, 20min)
  • A Mulher, Nicolás Dolensky (La Donna, Argentina, 14min)
  • 60 Primaveras, de Ana Guevara e Leticia Jorge (60 Primaveras, Uruguai, 11min)
  • Canção de Ninar, de Stanley Xu Rulyang (Lullaby, Singapura, 9min)
  • Coração Pela Boca, de Bruno Autran (The Heart in My Mouth, Brasil, 15min)
  • New Neighbors, de E.G. Bailey (New Neighbors, EUA, 9min)

VIVO

Zsofika, de Maxime-Claude L’écuye
O Velho Homem que Sonhava Sobre os Leões – Volume I, de Moojin Brothers
  • Dance, de Hans Op de Beeck (Dance, Bélgica, 10min)
  • Parade, de Hans Op de Beeck (Parade, Bélgica, 11min)
  • Sea of Tranquility, de Hans Op de Beeck (Sea of Tranquility, Bélgica, 29 min)
  • Staging Silence, de Hans Op de Beeck (Staging Silence, Bélgica, 20min)
  • Arco-Íris de Pixel Tem Fim?, de Filipe Maliska (Arco-íris de Pixel Tem Fim?, Brasil, 20min)
  • O Velho Homem que Sonhava Sobre os Leões – Volume I, de Moojin Brothers (The Old Man Was Dreaming About the Lions – Volume I, Coréia do Sul, 30min)
  • Leite Selecionado – Adicionado de Pó Reconstituido de Leite Totalmente Pasteurizado e Homogeneizado, de José Luis Ducid, Alfonso Camareo e María Messeguer (Leche Seleccionada Adicionada de Leche en Polvo Reconstituida Entera Pasteurizada Homogeneizada, Espanha, 20min)
  • Zsofika, de Maxime-Claude L’écuyer (Zsofika, Canadá, 15min)
  • Kopacabana, de Marcos Bonisson e Khalil Charif (Kopacabana, Brasil, 14min)

CATARINA

Longa-Metragens:

Oração do Amor Selvagem, de Chico Faganello
  • Oração do Amor Selvagem, de Chico Faganello (Wild Love Prayer, Florianópolis, Rancho Queimado, Antônio Carlos, 90min)
  • Abrindo As Janelas do Tempo, de Santiago Asef (Opening the Windows of Time, Bombinhas-SC, 65min)

Curta-Metragens:

Vento Sul, de Renan Blah
Valentina, de André Gevaerd
  • Beijos de Arame Farpado, de Marco Martins (Barbed Wire Kisses, Florianópolis-SC, 15min)
  • Valentina, de André Gevaerd (Valentina, Balneário Camboriú-SC, 17min)
  • A Casa Morta dos Meus Avós, de Leandro Cordeiro (My Grandparents Dead House, XX, 18min)
  • Dicionário, de Ricardo Weschenfelder (Dictionary, Blumenau-SC, 15min)
  • Garoto Propaganda, de Christopher Faust (Poster Boy, Blumenanu-SC, 23min)
  • Vento Sul, de Renan Blah (South Wind, Florianópolis-SC, 19min)

A EDIÇÃO COMEMORATIVA DE 10 ANOS DE FICBC EM NÚMEROS

  • 38 obras selecionadas
  • 17 países representados
  • 12 dias de programação
  • E muito amor pelo cinema.

MAIS SOBRE O FESTIVAL E SOBRE A COMEMORAÇÃO

O Festival Internacional de Cinema em Balneário Camboriú é um evento completo que apresenta o melhor do cinema brasileiro e estrangeiro para o público e acaba de completar 10 anos de existência. Somente quem produz, ano após ano, sabe o trabalho, sacrifício e dedicação necessários para apresentar um festival cada vez mais completo. Assim, nosso objetivo hoje é comemorar 10 anos de filmes e atividades com uma retrospectiva que pela primeira vez chegará às telas de todo o Brasil, de maneira gratuita e apresentando alguns dos melhores títulos que foram já exibidos em nossa programação.

A curadoria apresenta em diferentes sessões o trabalho de diretores estreantes ou consolidados, que estimulam diferentes tipos de sensibilidade, através de filmes exclusivos de longa, média e curta-metragem, além de obras audiovisuais inovadoras realizadas em diferentes formatos de produção e destinadas às variadas formas de exibição.

Anualmente o FICBC leva a Balneário Camboriú/SC diversos cineastas, profissionais e artistas que participam de atividades junto ao público e contribuem para a formação de cinéfilos, profissionais e pensamento crítico. “A cada ano o FICBC fica mais completo, sem se esquecer jamais de dar visibilidade a cada filme selecionado. Foram muitos os encontros entre o público e profissionais de diferentes países que possibilitaram a consolidação de novas coproduções”, afirma André Gevaerd, fundador e diretor do festival. Para a curadora, Barbara Sturm, o objetivo é “mostrar o melhor do cinema de arte atual em produções nacionais e internacionais e colocar os diretores para interagir junto ao público e à imprensa.”.

Trata-se de um evento cultural com formato inovador que se consolidou como um acontecimento de grande importância e recebendo atenção de diversos veículos de comunicação que o colocam como parte oficial do calendário anual de festivais de cinema. Nestes dez anos, o FICBC apresentou importantes convidados como os diretores Carlos Sorín, Frederike Jehn, Helene Klotz, Hanna Doose, Beto Brant, Renato Ciasca, Sérgio Machado, Rubens Velloso, Patrícia Moran, Francisco Garcia, Chico Faganello, David Schurmann, o artista Hans Op de Beeck, as atrizes Bianca Byington, Paula Braun, Djin Sganzerla, Christiane Tricerri, os atores Marcos Azevedo e Ivo Muller, o crítico Rodrigo Fonseca, entre muitos outros, que marcaram presença e tiveram contato direto com o público.

CONHEÇA AS DIFERENTES SESSÕES DO FESTIVAL

  • Internacional: exibe filmes brasileiros e estrangeiros que fazem sua estreia internacional ou nacional. São aceitos filmes de curta, média e longa-metragem, brasileiros e estrangeiros, que participam de uma competição.
  • Vivo: aberta a novas manifestações da linguagem audiovisual através de novos meios de produção e diferentes suportes de exibição. Cinema expandido, cinema ao vivo, instalações e formatos que ultrapassam as possibilidades da sala escura.
  • Catarina: projeta filmes realizados por diretores catarinenses ou que possuam alguma relação – diretor, produtor, elenco, equipe, locação e outros, com o estado de Santa Catarina.
  • Noturna: abre uma janela para o cinema fantástico em sessões noturnas.
  • Corujinha: traz programação para todas as idades, formando jovens cinéfilos.

Atenção: Nesta Edição Comemorativa de 10 Anos de Festival Internacional de Cinema de Balneário Camboriú, serão feitas apenas sessões das mostras Internacional, Vivo e Catarinense.

BELAS ARTES À LA CARTE

BELAS ARTES À LA CARTE completa um ano e celebra junto ao FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA EM BALNEÁRIO CAMBORIÚ

O À LA CARTE é um streaming de filmes pensado para quem ama cinema de verdade. Seu catálogo, que já conta com cerca de 400 títulos, e inclui filmes de todos os cantos do mundo e de todas as épocas: contemporâneos, clássicos, cults, obras de grandes diretores, superpremiados e principalmente aqueles que merecem ser revistos e que tocam o coração dos cinéfilos. Além de pelo menos quatro novos filmes que entram semanalmente no catálogo, há também a possibilidade do aluguel unitário, que são os Super Lançamentos: um espaço para filmes que estreiam antes dos cinemas; simultâneos ao cinema; filmes inéditos no Brasil, entre outras modalidades. Outro diferencial são as mostras de cinema, recentemente o À LA CARTE trouxe especiais dedicados à cinematografia francesa, italiana, coreana e espanhola. O À LA CARTE foi criado no final de 2019 e integra o Belas Artes Grupo, que inclui também a Pandora Filmes e o Cine Petra Belas Artes, um dos mais tradicionais e queridos cinemas de rua de São Paulo. O streaming, que é 100% nacional, conta com o valor de assinatura mais acessível do mercado: apenas R $9,90, o mesmo desde o lançamento.

Serviço:

  • Planos de assinatura com acesso a todos os filmes do catálogo em 2 dispositivos simultaneamente.
  • Valor assinatura mensal: R$ 9,90 | Valor assinatura anual: R$ 108,9
  • Para se cadastrar acesse: www.belasartesalacarte.com.br e clique em ASSINE, ou vá direto para a página de cadastro: https://www.belasartesalacarte.com.br/checkout/subscribe/signup
  • Aplicativos disponíveis para Android, Android TV, IOS, Apple TV e Roku. Baixe BELAS ARTES À LA CARTE na Google Play , App Store e dispositivos Roku.

- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
×

Olá, leitor

Sugestões de pautas, informações em geral.

×