- Publicidade -
27 C
Balneário Camboriú

Carlos Humberto apresenta projeto de lei na Alesc que proíbe coleta de amostras de balneabilidade após chuva

Leia também

Carnificina: mais 107 óbitos em Santa Catarina onde a capacidade dos hospitais está esgotada

A quantidade de mortos em 5 dias representa o mesmo que quatro quedas do avião da Chapecoense (71 vítimas) que comoveu o país e levou o ex-presidente Michel Temer a decretar luto nacional por três dias.

Lockdown reiniciou nesta sexta: “A grande questão é a consciência das pessoas”

O lockdown de final de semana reinicia às 23h desta sexta-feira (5), seguindo até as 6h de segunda-feira (8)...

Brasil tem mais de 1,7 mil mortes por covid-19 pelo quarto dia seguido

A quantidade de mortes por covid-19 no Brasil ficou acima das 1.700 pelo quarto dia consecutivo, atingindo 1.760 vítimas...

O deputado Carlos Humberto, único representante de Balneário Camboriú na Assembleia Legislativa, apresentou na terça-feira (27) um projeto de lei que proíbe coleta de amostras para realização de análises de balneabilidade em locais onde tenha chovido nas últimas 48 horas em Santa Catarina.

Balneário já teve ‘problemas’ com o resultado de balneabilidade por conta desta situação, principalmente pelas conhecidas chuva de verão, que acabavam deixando a praia suja e logo depois a coleta era feita.

- Publicidade -

Na defesa do projeto de lei, Carlos Humberto lembrou que o Estado conta com 500 km de litoral, onde periodicamente é realizado um trabalho de análise das águas de cada cidade litorânea – no verão isso acontece semanalmente, determinando se estão próprias ou impróprias para banho. Essas análises de balneabilidade são realizadas pelo Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA/SC) e pelas concessionárias de água e saneamento contratadas pelos municípios – no caso de Balneário, a Emasa.

Segundo o deputado, o projeto visa reforçar a ‘observância de parâmetros técnicos’ no período de coleta da amostra, especialmente relacionado a incidência de chuvas. Nas análises laboratoriais, a coleta adequada das amostras é de fundamental importância para garantir resultados confiáveis – que podem ser prejudicados em caso de chuva.

Mesmo existindo resoluções com critérios técnicos no procedimento de coleta, distorções nos resultados podem surgir pela ocorrência de chuva nas últimas 48 horas antes de efetuada a coleta, podendo resultar em alterações momentâneas e pontuais.

“O objetivo é termos resultados fidedignos, já que uma avaliação prejudicada pelas condições da água pode resultar em grandes prejuízos para uma cidade que possui praias e depende do turismo como sua fonte econômica, e este impacto negativo se reflete para nosso estado de Santa Catarina”, disse.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Bases milionárias e captação de talentos levam Palmeiras e Grêmio à decisão

Palmeiras e Grêmio chegam à decisão da Copa do Brasil neste domingo amparados em um longo projeto de formação...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -