- Publicidade -
26 C
Balneário Camboriú

PF faz buscas contra ex-deputado do DEM por propinas e desvios no Into

Leia também

MP-RJ pede que Flordelis seja submetida a júri popular pela morte do marido

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) divulgou nesta quinta-feira, 4, ter apresentado as alegações finais...

Dupla é presa com mais de 80kg de maconha em Balneário Camboriú

Dois homens de 20 e 31 anos foram presos, na noite de quarta-feira (3), com 81kg de maconha, na...

Em Balneário: adolescente tinha pés de maconha e outras drogas em casa

Um adolescente de 17 anos foi apreendido em flagrante, no final da tarde de quarta-feira (3), em Balneário Camboriú,...

Por Pepita Ortega e Fausto Macedo

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) no Rio deflagraram na manhã desta quarta-feira, 9, a Operação Talha, para investigar suposto desvio de recursos públicos no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into).

- Publicidade -

A ofensiva mira no ex-deputado Francisco Floriano (DEM) sob suspeita de exigir propinas a pretexto de conseguir a liberação de recursos de emendas parlamentares para o Into, sendo que os recursos eram posteriormente desviados pela organização criminosa desarticulada nas operações Fatura Exposta e Ressonância.

Cerca de 30 agentes da PF cumprem oito mandados de busca e apreensão, em residências e escritórios no Rio de Janeiro e em Brasília. As ordens foram expedidas pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio. Durante as diligências, a PF apreendeu R$ 168,1 mil na casa de um assessor que seria ligado a Francisco Floriano

As investigações que culminaram na Operação Talha tiveram início a partir de informações obtidas na Operação Fatura Exposta, que indicavam a atuação de uma organização criminosa especializada no desvio de recursos públicos destinados a unidades de saúde do Estado do Rio de Janeiro.

Segundo a PF, os investigadores encontraram “fortes indícios” da atuação de um ex-deputado federal na nomeação de diretores do Into, da influência direta do investigado em questões administrativas do hospital e até mesmo na marcação de exames e cirurgias de pessoas de seu interesse.

- Publicidade -

Os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de capitais e corrupção passiva, previstos.

A Polícia Federal indicou que o nome dado a operação remete ao período do feudalismo: “Talha era um tributo medieval pago pela exploração de propriedade senhorial, que consistia na entrega ao senhor feudal de uma parte dos produtos cultivados nos seus terrenos”.

Até o fechamento dessa matéria a reportagem não havia obtido o posicionamento dos citados. O espaço está aberto para manifestações.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Prefeitura de Balneário Camboriú volta atrás e vai vacinar 80+ no sábado

Ao contrário do que seria lógico, não haverá drive-thru, como aconteceu no último final de semana.
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -