- Publicidade -
22 C
Balneário Camboriú

Suspeito de integrar quadrilha de golpistas que atuava em Balneário foi preso

Leia também

Suspeita de insider da Petrobras já estava no radar da B3

As operações atípicas com ações da Petrobras já haviam chamado a atenção dentro da B3, a bolsa paulista, nos...

Mulher é presa suspeita de ter comprado celular com dinheiro falso, em Balneário

Uma mulher, identificada como T.I.C., foi presa na tarde de terça-feira (2), suspeita de ter comprado um celular na...

PGR pede para STJ manter condenação que pode tirar mandato de Lira

Por Breno Pires A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou parecer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), no mês passado, defendendo...

A Polícia Civil prendeu em flagrante na noite de quarta-feira (9), um homem de 26 anos, natural de Guapiara/SP, suspeito de pertencer a uma quadrilha especialista em aplicar o golpe do cartão. A prisão ocorreu em Florianópolis, mas houve casos do golpe também em Balneário Camboriú, São Paulo e Rio de Janeiro. Uma leitora do Página 3 denunciou que os pais dela haviam sido vítimas do golpe do motoboy (saiba mais aqui: https://www.pagina3.com.br/policia/2020/dez/4/1/leitora-alerta-para-golpe-do-motoboy-em-balneario-camboriu).

Segundo a Polícia Civil, o homem foi autuado por estelionato e uso de documento falso. Ele é suspeito de integrar uma quadrilha que liga para clientes (normalmente idosos) de agências bancárias informando ser de uma suposta ‘central’ do banco, e informa que seus cartões foram clonados e que um representante do banco vai em suas residências buscar o cartão com a senha.

- Publicidade -

Em seguida, são feitas compras, saques e transferências. O suspeito preso tinha a função de ‘buscador’, era ele que ia até as casas das vítimas com um crachá falso do Banco do Brasil – o mesmo banco denunciado pela leitora do Página 3 – e recolhia os cartões.

No momento da prisão, em um imóvel na Avenida Trompowsky, no centro de Florianópolis, o suspeito tinha dinheiro, 10 cartões de vítimas, máquinas em que eram passados os cartões, celulares e papelotes de MDMA (ecstasy).

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Com mais 94 mortes Santa Catarina e região de Balneário Camboriú seguem sem leitos de UTI

Apesar da morte de 44 catarinenses por falta de atendimento, o governador Carlos Moisés e os prefeitos continuam agindo de maneira irresponsável.
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -