- Publicidade -
26 C
Balneário Camboriú

Três moradores de Balneário e região foram presos em operação da PF contra tráfico internacional

Leia também

Homem é preso com armas e mais de R$ 12 mil em dinheiro, em Balneário Camboriú

Um homem de 45 anos, que estava envolvido em uma briga familiar, acabou preso por porte ilegal de arma...

Assassino foragido foi preso em Balneário Camboriú

Um homem de 38 anos, que estava foragido da Justiça por homicídio, foi preso na noite de sexta-feira (5),...

Comerciante de Balneário é morto a facadas em Camboriú

O comerciante de Balneário Camboriú, Augusto Policarpo, 62 anos, foi morto a facadas na madrugada de sábado (6), na...

A Polícia Federal de Curitiba realizou na quarta-feira (4) a Operação Narcobroker, com o objetivo de desarticular financeiramente um grupo de traficantes que enviavam cocaína para a Europa e eram investigados desde 2019. Houve ações e prisões em Balneário, Camboriú, Itapema, Itajaí e Urubici, além do Paraná e São Paulo. O suspeito de ser o chefe da quadrilha é de Curitiba. Há ordens para o sequestro de mais de R$ 40 milhões em bens divididos em dezenas de imóveis e veículos de luxo.

Segundo a Polícia Federal, em Balneário foi cumprido um mandado de busca e apreensão e um de prisão preventiva, assim como em Camboriú e Itapema. Em Itajaí e Urubici foram cumpridos mandados de busca e apreensão. Os três catarinenses presos são suspeitos de integrarem a quadrilha paranaense.

- Publicidade -

Cerca de 150 policiais participaram da Narcobroker e cumpriram 39 mandados judiciais, sendo nove de prisão preventiva, dois de prisão temporária e 28 de busca e apreensão em Santa Catarina, no Paraná e São Paulo.

O suspeito de ser o chefe da quadrilha é de Curitiba e residia no Bairro Santa Felicidade, em uma mansão avaliada em R$ 6 milhões, a qual teria sido sequestrada pela Justiça Federal. Ao total, foram sequestrados mais de R$ 40 milhões em bens, todos adquiridos através do narcotráfico, como imóveis e veículos de luxo.

A Justiça também determinou o bloqueio de três empresas que seriam utilizadas pelo grupo para lavagem de dinheiro. 68 contas, de pessoas físicas e jurídicas, foram bloqueadas, porque teriam tido movimentação suspeita de aproximadamente R$ 1 bilhão entre 2018 e 2020.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Em dia de 98 mortes no Estado prefeitos da Amfri decidem manter aulas presenciais

Balneário tem 43 professores e 11 alunos infectados
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -