- Publicidade -
19 C
Balneário Camboriú

Ao falar sobre ação contra tratamento precoce, Bolsonaro reclama de politização

Leia também

Livro com registro inédito sobre a produção teatral em Itajaí será lançado nesta quinta

A história do teatro em Itajaí começou em 1897, no entanto, foi nas décadas de 1970 e 1980 que...

Foragido do RS é preso com arma e drogas em Balneário

Um homem de 34 anos, que estava foragido do RS por furto a caixa eletrônico, foi preso em Balneário...

Vereadores de Balneário Camboriú votarão hoje “calote” no fundo de saúde dos servidores municipais

A Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú votará nesta quarta-feira, 14, projeto do prefeito Fabrício Oliveira que pretende dar...

Minimercado do centro foi arrombado e furtado nessa madrugada

Um minimercado, localizado na Rua 2.000, foi arrombado e furtado na madrugada desta quarta-feira (14), em Balneário Camboriú. O...

Praça da Cultura receberá primeira empena de arte urbana da área central de Balneário Camboriú

A obra do artista Eduardo Vaso, em andamento na Praça da Cultura, ainda não está pronta, mas já vem...
- Publicidade -

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (14) ter recebido informações, as quais tenta confirmar, de que o PSOL teria entrado com uma ação para impedir o tratamento precoce contra a covid-19. Ao longo da pandemia do novo coronavírus, o presidente reiteradamente defendeu o uso ao início dos primeiros sintomas de medicamentos sem comprovação científica, como, por exemplo, a cloroquina.

“Agora tivemos a informação – vou confirmar se é verdadeira ainda – que o PSOL teria entrado com uma ação na Justiça para que os prefeitos não deem o tratamento precoce ao pessoal que procurar. Se for verdade, pelo amor de Deus, acho que está na hora de parar de politizar esse negócio aí” afirmou Bolsonaro nesta quinta a apoiadores.

- Publicidade -

Segundo nota do partido no último dia 12, o PSOL, por meio do deputado Marcelo Freixo (RJ), planeja acionar o Ministério Público contra o ministro da Saúde Eduardo Pazuello, após o chefe da pasta pressionar a Prefeitura de Manaus para que receite os medicamentos sem comprovação para o combate à doença.

Neste mês, o Amazonas registrou novos recordes de internações pela covid-19, com aumento expressivo do número de casos e óbitos. Esta semana a Justiça Federal suspendeu a aplicação da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no Estado e o Pará fechou as divisas com o Estado vizinho a fim de conter a proliferação de casos. Segundo dados da Fundação Vigilância em Saúde (FVS), o Estado tem 91,4% dos leitos de UTI e 93,5% dos leitos de enfermaria ocupados.

“Em vez de providenciar agulha, seringa e calendário de vacinação, Pazuello está pressionando a Prefeitura de Manaus a distribuir cloroquina e ivermectina na rede pública. Até ronda nos postos de saúde o ministro quer fazer. Vamos acionar o Ministério Público Federal”, escreveu Freixo no Twitter.

Segundo avaliação de Bolsonaro nesta manhã, a capital amazonense apresenta “um problema sério” no controle da pandemia.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -