- Publicidade -
28 C
Balneário Camboriú

Ao falar sobre ação contra tratamento precoce, Bolsonaro reclama de politização

- Publicidade -
- publicidade -

Leia também

Pesquisa vê ‘pandemia’ de desconfiança

Brasileiros desconfiam do governo, mas estão entre os mais dispostos a ser vacinados contra a covid-19, segundo a pesquisa...

Procuradoria analisa propor ação no Supremo contra leis de capelania do Maranhão

No final de dezembro, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), publicou um decreto para regulamentar a prestação do...

Coronavírus: Argentina registra 1º caso de variante britânica mais contagiosa

A Argentina registrou hoje seu primeiro caso da variante mais transmissível do coronavírus identificada inicialmente no Reino Unido. De...

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (14) ter recebido informações, as quais tenta confirmar, de que o PSOL teria entrado com uma ação para impedir o tratamento precoce contra a covid-19. Ao longo da pandemia do novo coronavírus, o presidente reiteradamente defendeu o uso ao início dos primeiros sintomas de medicamentos sem comprovação científica, como, por exemplo, a cloroquina.

“Agora tivemos a informação – vou confirmar se é verdadeira ainda – que o PSOL teria entrado com uma ação na Justiça para que os prefeitos não deem o tratamento precoce ao pessoal que procurar. Se for verdade, pelo amor de Deus, acho que está na hora de parar de politizar esse negócio aí” afirmou Bolsonaro nesta quinta a apoiadores.

- Publicidade -

Segundo nota do partido no último dia 12, o PSOL, por meio do deputado Marcelo Freixo (RJ), planeja acionar o Ministério Público contra o ministro da Saúde Eduardo Pazuello, após o chefe da pasta pressionar a Prefeitura de Manaus para que receite os medicamentos sem comprovação para o combate à doença.

Neste mês, o Amazonas registrou novos recordes de internações pela covid-19, com aumento expressivo do número de casos e óbitos. Esta semana a Justiça Federal suspendeu a aplicação da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no Estado e o Pará fechou as divisas com o Estado vizinho a fim de conter a proliferação de casos. Segundo dados da Fundação Vigilância em Saúde (FVS), o Estado tem 91,4% dos leitos de UTI e 93,5% dos leitos de enfermaria ocupados.

“Em vez de providenciar agulha, seringa e calendário de vacinação, Pazuello está pressionando a Prefeitura de Manaus a distribuir cloroquina e ivermectina na rede pública. Até ronda nos postos de saúde o ministro quer fazer. Vamos acionar o Ministério Público Federal”, escreveu Freixo no Twitter.

- Publicidade -

Segundo avaliação de Bolsonaro nesta manhã, a capital amazonense apresenta “um problema sério” no controle da pandemia.

- Publicidade -
- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Brasileiro se adapta a ‘novo normal’

A loja de galeria que agora sobrevive com e-commerce, a vaquinha virtual durante a live do artista favorito e...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -