- Publicidade -
19 C
Balneário Camboriú

‘Bolsonaro gosta do cheiro da morte e do dinheiro das rachadinhas’, diz Doria

Leia também

Livro com registro inédito sobre a produção teatral em Itajaí será lançado nesta quinta

A história do teatro em Itajaí começou em 1897, no entanto, foi nas décadas de 1970 e 1980 que...

Foragido do RS é preso com arma e drogas em Balneário

Um homem de 34 anos, que estava foragido do RS por furto a caixa eletrônico, foi preso em Balneário...

Vereadores de Balneário Camboriú votarão hoje “calote” no fundo de saúde dos servidores municipais

A Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú votará nesta quarta-feira, 14, projeto do prefeito Fabrício Oliveira que pretende dar...

Minimercado do centro foi arrombado e furtado nessa madrugada

Um minimercado, localizado na Rua 2.000, foi arrombado e furtado na madrugada desta quarta-feira (14), em Balneário Camboriú. O...

Praça da Cultura receberá primeira empena de arte urbana da área central de Balneário Camboriú

A obra do artista Eduardo Vaso, em andamento na Praça da Cultura, ainda não está pronta, mas já vem...
- Publicidade -

Por Nicholas Shores

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), subiu o tom das críticas ao presidente Jair Bolsonaro após o ex-aliado eleitoral dizer que o tucano não gosta do “cheiro do povo”. Nesta sexta-feira (1º), o paulista reagiu afirmando que Bolsonaro “gosta mesmo é do cheiro da morte, do cheiro da pólvora e do cheiro do dinheiro das rachadinhas”.

- Publicidade -

Além de aludir à defesa do presidente pela flexibilização de regras para porte e posse de armas, Doria remeteu também à denúncia de que seu filho mais velho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), teria comandado esquema de desvio de salários de assessores quando era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Principal antagonista político do chefe do Planalto no enfrentamento à pandemia de covid-19, Doria escreveu, ainda, em sua conta no Twitter que o que chamou de “inoperância” e “negacionismo” do governo federal teriam estimulado a morte de 194 mil brasileiros pela doença. “Presidente: trabalhe mais e fale menos”, encerrou o governador.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -