- Publicidade -
28 C
Balneário Camboriú

Bolsonaro justifica alta na conta de luz com nível de represas e risco de apagões

Leia também

‘Nós nunca brigamos’, diz Mourão após se reunir com Bolsonaro

Depois de se reunir com o presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão disse ter tido um encontro "normal"...

Dia da Mulher será tema na Procuradoria Especial do Legislativo

A Procuradoria Especial da Mulher da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú realizará seu primeiro evento deste ano no...

‘Somar forças para tirar entulho da sala’, diz Huck, ao lado de Marina e Manuela

O apresentador e empresário Luciano Huck disse, nesta segunda-feira, dia 1º, que é preciso tirar "um entulho do meio...
Por Emilly Behnke

Ao justificar o aumento na conta de luz, o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou via redes sociais nesta terça-feira, 1º de dezembro, que o País corre o risco de ter apagões. Em resposta a um comentário em sua página oficial no Facebook, o chefe do Executivo ressaltou que “as represas estão em níveis baixíssimos” e que o período de chuvas ainda não veio. A fala foi direcionada ao comentário de um usuário que disse: “A conta de luz vai aumentar. Obrigado PR.”

Na segunda-feira, 30, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou a retomada do sistema de bandeiras tarifárias na conta de luz a partir desta terça. Por conta da pandemia da covid-19, o mecanismo havia sido suspenso em maio.

- Publicidade -

A agência havia acionado a bandeira verde, sem cobrança de taxa extra, até o fim deste ano, mas a decisão foi revisada na segunda-feira, para a vermelha patamar dois.

“As represas estão níveis baixíssimos. Se nada fizermos poderemos ter apagões. O período de chuvas, que deveriam começar em outubro, ainda não veio. Iniciamos também campanha contra o desperdício”, escreveu Bolsonaro.

De acordo com a Aneel, não é possível manter a bandeira verde nas atuais condições. Agora, as tarifas terão bandeira vermelha em seu segundo patamar, com uma taxa extra de R$ 6,243 a cada 100 kWh.

A justificativa relacionada à seca também foi apresentada pelo diretor da Aneel, Efrain Pereira da Cruz. Ele destacou “afluências críticas” nos principais reservatórios do País, no Sudeste e Centro-Oeste, além do Sul, e deterioração nos meses de outubro e novembro.

A situação já implicou no acionamento de termelétricas, o que pressionou o custo de geração de energia no País, que desde setembro já retomou o consumo de energia no patamar pré-pandemia

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

É iminente o colapso generalizado do sistema de saúde do País

18 Estados já têm mais de 80% de UTIs lotadas e secretários querem lockdown
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -