- Publicidade -
26 C
Balneário Camboriú

Flávio Bolsonaro e sócio entregam loja de chocolates investigada pelo MP

Leia também

Achutti indica a Fabrício que gaste o dinheiro do alargamento no combate à covid-19

O vereador Marcelo Achutti protocolou indicação parlamentar ao prefeito Fabrício Oliveira, para que ele que "utilize o valor de...

Sessão legislativa: dois projetos com pedidos de vista aprovados

Os dois projetos que estavam na pauta da sessão ordinária da Câmara de Vereadores desta quarta-feira (3) tiveram pedidos...

Turismo e Meio Ambiente na tribuna livre do Legislativo

A presidente do BC Convention, Margot Rosenbrock Libório e o professor da Univali, Paulo Ricardo Schwingel ocuparam a Tribuna...

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e seu sócio, Alexandre Santini, entregaram a loja de chocolates num shopping do Rio que é alvo de investigação do Ministério Público. Citada em diversos momentos das apurações contra o parlamentar – e atualmente o principal desdobramento do caso -, a franquia da Kopenhagen é apontada pela Promotoria como uma forma dele lavar o dinheiro supostamente desviado da Assembleia Legislativa do Rio quando era deputado estadual.

Denunciado em novembro do ano passado, o filho do presidente é acusado de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no âmbito das “rachadinhas”, o desvio de salários de assessores que seriam “fantasmas”. A loja no Via Parque, na zona oeste da cidade, teria sido uma das formas encontradas por Flávio para dar aparência de legalidade aos valores.

- Publicidade -

No momento, a loja está fechada e, segundo o Via Parque, sendo controlada pelo grupo CRM, dono da Kopenhagen e outras marcas.. A empresa de Flávio e Santini (Bolsotini), por sua vez, continua com CNPJ ativo na Receita Federal, com capital social de R$ 200 mil.

A investigação do MP do Rio levantou diversas incongruências entre receitas e despesas, mostrando que o senador e a mulher, Fernanda Bolsonaro, não tinham o valor necessário para a aquisição e operação da franquia. Santini, então, teria entrado como “laranja”.

O dado que mais chamou a atenção dos investigadores quando analisaram os balanços da loja foi o fato de a contabilidade não refletir o natural aumento de vendas esperado na quinzena que antecede a Páscoa. Eles concluíram, portanto, que o negócio tinha a “finalidade de acobertar a inserção de recursos decorrente do esquema de rachadinhas da Alerj no patrimônio de Flávio Bolsonaro sem levantar suspeitas.”

As apurações sobre a loja são hoje o principal desdobramento da investigação, conforme sinalizou o próprio MP na primeira denúncia do caso, que deixou de fora esse núcleo. Entraram, na peça, Flávio, a mulher, o operador Fabrício Queiroz e ex-assessores que teriam participado do esquema de desvios, além de um corretor de imóveis envolvido em transações suspeitas do senador.

- Publicidade -

O Estadão entrou em contato com a assessoria de Flávio e aguarda um retorno sobre o porquê da venda da loja.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Prefeitura de Balneário Camboriú volta atrás e vai vacinar 80+ no sábado

Ao contrário do que seria lógico, não haverá drive-thru, como aconteceu no último final de semana.
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -