- Publicidade -
28 C
Balneário Camboriú

‘Lula me pediu para colocar o bloco na rua’, afirma Haddad

Leia também

‘Nós nunca brigamos’, diz Mourão após se reunir com Bolsonaro

Depois de se reunir com o presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão disse ter tido um encontro "normal"...

Dia da Mulher será tema na Procuradoria Especial do Legislativo

A Procuradoria Especial da Mulher da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú realizará seu primeiro evento deste ano no...

‘Somar forças para tirar entulho da sala’, diz Huck, ao lado de Marina e Manuela

O apresentador e empresário Luciano Huck disse, nesta segunda-feira, dia 1º, que é preciso tirar "um entulho do meio...

O ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad disse que recebeu orientação de Luiz Inácio Lula da Silva para “rodar o País” e se apresentar como potencial candidato do PT à Presidência em 2022, caso ex-presidente não restitua seus direitos políticos.

“Ele (Lula) me chamou para uma conversa no último sábado (30) e disse que não temos mais tempo para esperar”, disse Haddad em entrevista ao site Brasil 247 na noite de quinta-feira, 4. “Ele me pediu para colocar o bloco na rua e eu aceitei.”

- Publicidade -

Lula está inelegível pela Lei da Ficha Limpa por causa de duas condenações penais, nos casos do triplex do Guarujá e do sítio de Atibaia, ambos em São Paulo.

A defesa do petista, porém, aguarda o julgamento, no Supremo Tribunal Federal (STF), que vai decidir se o ex-juiz Sérgio Moro agiu com parcialidade nos casos – o que, em tese, pode levar à anulação das condenações e restabelecer os direitos políticos do ex-presidente.

A pressão sobre a atuação de Moro ganhou força nesta semana. Na segunda-feira, 1º, o ministro do Supremo Ricardo Lewandowski derrubou o sigilo da ação em que garantiu à defesa de Lula acesso à íntegra do material apreendido na Operação Spoofing – que investiga a invasão a celulares de autoridades, entre elas Moro e procuradores da Operação Lava Jato.

O material reúne trocas de mensagens atribuídas ao ex-juiz e a procuradores, entre eles o ex-coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol, e reforça os argumentos da defesa de Lula de que a atuação de Moro nos casos relacionados ao petista foi parcial.

- Publicidade -

Haddad relatou que Lula avalia haver pouco tempo hábil para aguardar a decisão do Supremo, e que é necessário debater os problemas do País. “Lula recuperando os direitos políticos, evidentemente que a discussão fica de outro nível”, disse ontem Haddad à CNN Brasil.

O petista afirmou que pretende fazer agendas nos fins de semana. As viagens têm objetivo de aumentar o grau de conhecimento entre os eleitores. O ex-ministro concorreu à Presidência em 2018 e foi para o segundo turno com Jair Bolsonaro – derrotado, o petista obteve pouco mais de 47 milhões de votos (44,7% dos votos válidos). Procurado pelo Estadão, Haddad não quis comentar.

Boulos

Candidato do PSOL à Presidência em 2018, Guilherme Boulos criticou o movimento feito pelo PT. Em mensagem publicada no Twitter, Boulos disse que, antes de se pensar em nomes, é necessário definir um projeto como alternativa à tentativa de reeleição de Bolsonaro. “Defendo que a esquerda busque unidade pra enfrentar Bolsonaro. Para isso, antes de lançar nomes, devemos discutir projeto.”
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

É iminente o colapso generalizado do sistema de saúde do País

18 Estados já têm mais de 80% de UTIs lotadas e secretários querem lockdown
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -