- Publicidade -
21 C
Balneário Camboriú

STJ suspende pedido de aposentadoria feito por desembargadora alvo da Faroeste

- publicidade -

Leia também

Dois projetos na pauta legislativa desta terça-feira

A sessão da Câmara de Vereadores desta terça-feira (11) terá dois projetos em pauta, um em primeira discussão e...

Vereador Achutti sugere vigilância armada nas escolas, Castanheira defende direito de defesa com uso de armas

Após a tragédia ocorrida em Saudades, no Oeste catarinense, nesta semana, o vereador Marcelo Achutti sugeriu que as escolas...

Governador Carlos Moisés retorna ao cargo

O governador Carlos Moisés foi absolvido no segundo processo de impeachment que sofreu em seu mandato, nesta sexta-feira (7),...

PF investiga possível ataque hacker a sistema do STF

A Polícia Federal investiga 'acesso fora do padrão' que levou o Supremo Tribunal Federal (STF) a retirar seu site...

Visita de Onyx Lorenzoni aumenta pressão sobre Pazuello

Dois dias depois de pedir à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid para adiar seu depoimento por ter...

O ministro Og Fernandes, relator das ações penais e dos inquéritos derivados da Operação Faroeste no Superior Tribunal de Justiça (STJ), suspendeu o processo administrativo aberto para decidir sobre um pedido de concessão de aposentadoria voluntária formalizado pela desembargadora Ilona Márcia Reis. A magistrada chegou a ser presa temporariamente sob suspeita de participação em vendas de decisões no Tribunal de Justiça da Bahia. A suspensão vale até o julgamento da ação penal em que ela responde, ao lado de outras três pessoas, por formação de quadrilha. O escândalo levou a Justiça a decretar o afastamento dela do cargo, em dezembro, pelo período inicial de um ano.

A defesa da desembargadora entrou então com o pedido de aposentadoria voluntária. No entanto, na avaliação do ministro, a jurisprudência impede a concessão do benefício quando o requerimento é feito na esteira de possíveis crimes envolvendo violação do dever funcional.

- Continue lendo após a publicidade -

Og Fernandes também observou que a decisão de afastar a magistrada do cargo levou em consideração que, no caso de uma eventual condenação, seria determinada a perda definitiva do cargo.

“A fim de evitar a hipotética situação em que o magistrado – mesmo definitivamente condenado – continue auferindo os proventos previdenciários oriundos do cargo por meio do qual a infração penal fora praticada, o afastamento cautelar também serve para impedir que o magistrado se aposente voluntariamente, evitando a incidência da perda do cargo em caso de condenação”, observou em sessão plenária nesta quinta-feira, 11.

A decisão atende a Un pedido do Ministério Público Federal (MPF). No final de janeiro, a subprocuradora-geral da República Lindôra Maria Araújo, braço direito de Augusto Aras, deu entrada em um pedido cautelar para embargar o processo pela aposentadoria voluntária.

- Publicidade -
- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
×

Olá, leitor

Sugestões de pautas, informações em geral.

×