- Publicidade -
28 C
Balneário Camboriú

Vereador Achutti sugere criação de Comissão para discutir problemas de alagamentos em Balneário

Leia também

‘Nós nunca brigamos’, diz Mourão após se reunir com Bolsonaro

Depois de se reunir com o presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão disse ter tido um encontro "normal"...

Dia da Mulher será tema na Procuradoria Especial do Legislativo

A Procuradoria Especial da Mulher da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú realizará seu primeiro evento deste ano no...

‘Somar forças para tirar entulho da sala’, diz Huck, ao lado de Marina e Manuela

O apresentador e empresário Luciano Huck disse, nesta segunda-feira, dia 1º, que é preciso tirar "um entulho do meio...

O vereador Marcelo Achutti protocolou requerimento que sugere a criação de uma Comissão Especial, para discutir a drenagem urbana de Balneário Camboriú, considerando os problemas históricos de alagamento que a cidade possui. Um dos pontos que Achutti destaca é a necessidade de manutenção e limpeza das galerias.

Ao Página 3, Achutti destacou que Balneário Camboriú ‘não pode mais aceitar inundações e alagamentos’, citando as chuvas intensas dos últimos dias. Ele lembra que toda a cidade sofre com a situação, como as avenidas Atlântica, Brasil, Das Flores, Martin Luther, Quinta Avenida e muitas ruas e bairros. 

- Publicidade -

“Precisamos de soluções eficazes e definitivas. Balneário tem investido milhões em drenagem e parece que não tem resolvido a situação, só está ‘apaziguando’. Não houve manutenção, precisa ser feita limpeza preventiva nas galerias, nas bocas de lobo. Tanto que qualquer chuvinha já alaga a cidade toda”, diz.

“Câmara precisa fiscalizar”

O vereador exemplificou com as galerias da Avenida Atlântica, e explicou que pretende trazer a discussão com seus colegas nas primeiras sessões, em fevereiro.

“A Câmara de Vereadores precisa sair desse papel de oferecer honrarias e fiscalizar! Há entidades de classe que possuem know-how no assunto, como o Sinduscon (Sindicato da Construção Civil). A AMFRI, a qual investimos R$ 2 milhões, que prometeu apresentar um projeto de drenagem e até agora nada aconteceu”, comenta, afirmando que quer saber ‘por qual motivo não está funcionando’ o sistema de drenagem municipal. 

“Tenho pouco conhecimento, não sou engenheiro, mas sei que falta manutenção, desobstrução das bocas de lobo, limpeza das galerias e caixa de passagens”, pontua.

“Temos que colocar o dedo na ferida, sim”

- Publicidade -

Achutti lembrou também das travessias nos elevados, onde passam tubulações por baixo, e que não sabe quanto tempo faz que foram limpas. 

“Por que não debater? Temos que colocar o dedo na ferida, sim. O novo emissário foi uma criação excelente, mas será que sendo instalado na tubulação não está talvez obstruindo alguns pontos por conta da areia? Tudo isso precisa ser discutido. E se a manutenção estiver sendo feita, a prefeitura precisa divulgar isso, porque nem sempre conseguimos estar fiscalizando tudo”, completa.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

É iminente o colapso generalizado do sistema de saúde do País

18 Estados já têm mais de 80% de UTIs lotadas e secretários querem lockdown
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -