- Publicidade -
23 C
Balneário Camboriú

Covid-19: Gotardo questiona se houve mudança no protocolo de testagem

Leia também

Saúde entrou em colapso, mas bares, igrejas, academias e escolas continuam abertos

O governador Carlos Moisés anunciou, nesta quarta-feira, tímidas medidas de combate à pandemia, enquanto o sistema de saúde pública...

Com um ano de pandemia, Brasil chega a 250 mil mortes e vive pior fase da doença

Doze meses depois do registro do primeiro caso da covid-19, o Brasil superou nesta quarta-feira, 24, a marca de...

Saúde: Brasil registra 1.428 mortes por covid-19 em 24h; total chega a 249.957

O Brasil registrou 1.428 mortes em decorrência do novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo dados divulgados pelo Ministério...

O vereador do Partido NOVO, Lucas Gotardo, fez um pedido de informação questionando se a Prefeitura de Balneário Camboriú mudou o protocolo de testagem Covid-19.

O questionamento foi motivado primeiramente por uma dispensa licitatória, realizada no final de novembro, para aquisição de 3.000 testes rápidos, totalizando um investimento de R$ 150 mil, como consta no Portal de Transparência. Na semana passada, a Prefeitura lançou uma licitação para aquisição de 36 mil kits, compra estimada em cerca de R$ 2 milhões.

Entenda

- Publicidade -

Acontece que no primeiro semestre deste ano, a Secretaria de Saúde havia deixado claro que utilizaria outro protocolo de testagem, com testes PCR, por terem mais sensibilidade, ou seja menor margem de erro em comparação aos testes rápidos. Inclusive por essa característica, o Ministério da Saúde recomenda que testes rápidos nem podem ser usados como evidência absoluta de SARS-CoV 2.

Com base no protocolo dos testes PCR, divulgado pela Prefeitura no início da pandemia, o município realizou convênio através da AMFRI, para que os testes fossem realizados em um laboratório de Blumenau.

“Não questiono de forma alguma a necessidade, até porque saúde é prioridade. Porém como fiscalizador, gostaria de entender o que mudou ao longo dos meses para agora esses testes rápidos serem considerados confiáveis e começarem a ser comprados em quantidade”, afirma Gotardo.

No pedido de informação, Gotardo indaga se está havendo escassez de testes PCR ou excesso de demanda que exija alguma ação paliativa; se houve mudança de protocolo quanto à testagem; e se sim, por qual motivo isso não foi comunicado amplamente à população.

Para ler o documento na íntegra acesse: https://bit.ly/36ZBp8a


Texto Dani Sisnandes
- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

341° da Quarentena: o caos em Santa Catarina

Por Hélvion Ribeiro
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -