- Publicidade -
24 C
Balneário Camboriú

Doria: É de uma atrocidade o presidente do Brasil contestando o uso de máscaras

Leia também

Livro com registro inédito sobre a produção teatral em Itajaí será lançado nesta quinta

A história do teatro em Itajaí começou em 1897, no entanto, foi nas décadas de 1970 e 1980 que...

Foragido do RS é preso com arma e drogas em Balneário

Um homem de 34 anos, que estava foragido do RS por furto a caixa eletrônico, foi preso em Balneário...

Vereadores de Balneário Camboriú votarão hoje “calote” no fundo de saúde dos servidores municipais

A Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú votará nesta quarta-feira, 14, projeto do prefeito Fabrício Oliveira que pretende dar...

Minimercado do centro foi arrombado e furtado nessa madrugada

Um minimercado, localizado na Rua 2.000, foi arrombado e furtado na madrugada desta quarta-feira (14), em Balneário Camboriú. O...

Praça da Cultura receberá primeira empena de arte urbana da área central de Balneário Camboriú

A obra do artista Eduardo Vaso, em andamento na Praça da Cultura, ainda não está pronta, mas já vem...
- Publicidade -

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), classificou como “tristeza” e “atrocidade” as declarações dadas pelo presidente Jair Bolsonaro, que na noite de quinta-feira, 25, durante transmissão semanal ao vivo, citou um suposto estudo alemão para contestar o uso de máscaras no combate à covid-19.

“O presidente da República contestando o uso de máscaras para proteger vidas – seja baseado em qualquer informação, alemã, francesa, inglesa, portuguesa, da onde for – é de um absurdo atroz”, disse Doria durante entrevista no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. “É o retrato do negacionismo expresso na palavra de quem, como líder, deveria defender vidas e não atentar contra elas”, completou.

- Publicidade -

O coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19 no Estado, João Gabbardo, se disse incrédulo com as palavras do presidente. “Não sabia e é inacreditável”, afirmou. “Se bem que, pensando bem, desde o início, todas as medidas que são recomendadas pelo Ministério da Saúde, de uma maneira geral, passam por um processo de desmoralização”, afirmou Gabbardo, que ocupou o cargo de secretário executivo do Ministério da Saúde durante a gestão de Luiz Henrique Mandetta e deixou a pasta na esteira da saída do ex-ministro.

Gabbardo defendeu também “não dar atenção a esse tipo de manifestação” do presidente Jair Bolsonaro. “Gastamos energia à toa”, completou.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -