- Publicidade -
27 C
Balneário Camboriú

Maia afirma que MP da vacina será votada sem termo de consentimento

Leia também

Governo do Estado responde ao MP que não suspenderá atividades por 14 dias

(Assessoria Estado) - O Governo do Estado protocolou junto ao Ministério Público de Santa Catarina na manhã deste sábado,...

MPs, TCE, DPU e DPE/SC recomendam ao Governo de SC a suspensão das atividades não essenciais por ao menos 14 dias

(Assessoria MP) A medida extrajudicial foi expedida na noite desta sexta-feira (26/2) e tem que ser respondida em 24...

Brasil tem apenas 3% da população vacinada contra o coronavírus

O número de pessoas vacinadas contra a covid-19 no Brasil chegou nesta sexta-feira, 26, a 6.422.545, de acordo com...

Sobre a recusa de Bolsonaro em se vacinar, Maia disse que essa e outras posturas do presidente são lamentáveis

Por Camila Turtelli e Anne Warth

- Publicidade -

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o parlamento não irá acatar a exigência de que as pessoas que quiserem se vacinar contra a covid-19 assinem um termo de responsabilidade, como deseja o presidente Jair Bolsonaro.

“Esse não é um tema da Câmara, esse tema veio do governo. Se o governo tiver interesse, apresente a emenda por um deputado, faça o destaque e tente ganhar no plenário. Não pode o relator da Câmara assumir a responsabilidade sobre um tema que nós não temos convencimento que é o caminho correto, para aprovação dentro da medida provisória.”

A Medida Provisória 1003/2020, que trata da compra de vacina contra a covid-19 pelo programa internacional Covax Faciliy, deve ser votada nesta quinta-feira, 17. Nesta terça-feira, 15, o relator da proposta, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), disse que incluiria o termo. A informação foi anunciada depois que o parlamentar se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro.

“O laboratório da Pfizer, no contrato disponibilizado ao governo federal, tem uma cláusula que tira a responsabilidade do laboratório para eventuais efeitos colaterais no futuro. O presidente (Bolsonaro) quer repassar isso de forma segura, clara, transparente a todos que receberão a vacina. O termo jurídico é consentimento informado”, afirmou o relator, em conversa com jornalistas no Planalto.

- Publicidade -

Sobre a recusa de Bolsonaro em se vacinar, Maia disse que essa e outras posturas do presidente são lamentáveis e afirmou ter “fé” de que Bolsonaro compreenda o papel que a sociedade reservou a ele.

Em entrevista a José Luiz Datena, Bolsonaro disse que não vai tomar a vacina contra a covid-19. Ele já foi diagnosticado com a doença em julho, mas cientistas ainda não sabem por quanto tempo as pessoas ficam protegidas de se infectar novamente.

“Eu não posso falar. Como cidadão é uma coisa e como presidente é outra. Mas como eu nunca fugi da verdade, eu digo: Eu não vou tomar a vacina. Se alguém acha que a minha vida está em risco, o problema é meu e ponto final”, afirmou o presidente.

Maia disse ainda ser favorável a suspender o recesso parlamentar para que o Congresso possa votar propostas que digam respeito à saúde. Hoje, Bolsonaro disse que iria assinar uma nova MP liberando R$ 20 bilhões para compra de vacinas contra a covid-19

Sobre essa proposta, Maia disse não haver previsão de votação na Câmara, já que a MP ainda não foi editada. O presidente da Câmara defendeu ainda a votação de propostas que modernizem o Sistema Único de Saúde (SUS) e que reduzam as diferenças na taxa de sucesso do tratamento da covid em UTIs entre a rede pública e privada. “Janeiro poderia servir para isso”, disse.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Governo do Estado responde ao MP que não suspenderá atividades por 14 dias

(Assessoria Estado) - O Governo do Estado protocolou junto ao Ministério Público de Santa Catarina na manhã deste sábado,...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -