- Publicidade -
29 C
Balneário Camboriú

Pedágio em Balneário Camboriú neste sábado para ajudar Sofia Helena

A menina precisa de medicamento que custa R$ 12 milhões

- Publicidade -
- publicidade -

Leia também

Coronavírus: Argentina registra 1º caso de variante britânica mais contagiosa

A Argentina registrou hoje seu primeiro caso da variante mais transmissível do coronavírus identificada inicialmente no Reino Unido. De...

Amazonas sabia desde novembro que oxigênio de hospitais era insuficiente

Pelo menos desde o dia 23 de novembro, a Secretaria de Saúde do Amazonas sabia que a quantidade de...

Farmacêutica brasileira entra com pedido para uso emergencial da Sputnik V

O Grupo União Química e o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia (RDIF, da sigla em inglês) protocolaram junto...

Um grupo de amigos convida a população de Balneário Camboriú para participar do Pedágio Solidário, neste sábado (16), para arrecadar recursos para o tratamento de Sofia Helena, que completará 1 ano e 6 meses no próximo dia 26 e desde os 8 meses está tratando uma doença genética chamada AME (Atrofia Muscular Espinhal) tipo 1, na forma mais grave e agressiva. 

A família mora em Saudades, no oeste catarinense.

- Publicidade -

O pedágio vai acontecer na Alvin Bauer esquina com a Terceira Avenida, das 8 horas às 14 horas. Quem passar pelo local pode ajudar com qualquer quantia.

A descoberta da doença

Os primeiros sinais começaram a ser notados quando a mãe de Sofia precisou voltar ao trabalho, depois da licença maternidade. Na creche as professoras notaram que a menina não tinha a mesma firmeza que as outras crianças da idade dela. Os pais Silvana e João buscaram ajuda médica e logo veio o diagnóstico da AME. Foi aí que se iniciou uma corrida contra o tempo para conseguir 2,12 milhões de dólares para o tratamento – cerca de R$ 12 milhões. 

Sofia precisa receber o medicamento conhecido como Zolgensma, até os dois anos de idade. É uma dose única e é considerado no momento, o mais caro do mundo. 

- Publicidade -

“Sabemos da dificuldade e do tamanho do objetivo, mas não medimos nossos sonhos, pois acima de tudo, acreditamos que com a ajuda de todos, estaremos cada vez mais próximos de nosso objetivo”, relatam os pais da menina.

Diante do alto valor, a família não perdeu tempo e começou a mobilizar a cidade de apenas nove mil habitantes, o estado e o Brasil com uma campanha na internet e nas redes sociais, com autorização judicial. Várias contas foram criadas em nome da menina para receber as doações, inclusive uma internacional. Famosos também já se uniram nessa batalha para ajudar a catarinense. Duas camisas autografadas pelo Neymar foram doadas à campanha para serem sorteadas, uma da Seleção Brasileira e outra do Paris Saint- Germain. As rifas podem ser compradas através do link na biografia de Sofia Helena no instagram @amesofiahelena. No mesmo link tem as contas bancárias para doação.

Os pais de Sofia têm menos de seis meses para arrecadar o valor necessário para o tratamento, que até pouco tempo atrás só era possível fazer nos Estados Unidos. Nos últimos meses também está sendo feito em São Paulo e em Curitiba. 

Até agora a campanha conseguiu perto de R$ 9 milhões, faltando pouco mais de R$ 3,3 milhões para salvar a vida da menina. Ela já recebeu algumas doses do medicamento Spinraza, fornecido pelo SUS (Sistema Único de Saúde), porém o referido medicamento não apresenta possibilidade de cura da doença, mas retarda os avanços da mesma.

A doença

A atrofia muscular espinhal (AME) é uma doença genética neuromuscular, progressiva e muitas vezes letal. Ela é caracterizada por degeneração e perda de neurônios motores da medula espinhal e do tronco cerebral, resultando em fraqueza muscular progressiva e atrofia, que afeta diretamente a parte motora e respiratória, responsáveis por movimentos voluntários vitais do corpo, como respirar, engolir e se movimentar. A AME afeta aproximadamente um em cada 10.000 nascidos vivos e é a principal causa genética de morte em bebês.

Sofia está usando máscara para auxiliar na respiração e atualmente apresenta fraqueza muscular. Ela não consegue ficar em pé e nem sentada no colo. Não tem controle da cabeça e do tronco, e tem uma imunidade muito baixa, podendo se agravar e entrar em estágios mais avançados da doença.

Apesar da pouca idade, Sofia parece compreender a luta diária para sobreviver. A atrofia não afeta o cognitivo da criança, e ela consegue entender um pouco do que os pais falam, se expressando com os olhos e sorrisos. 

O lema da Campanha é “Quem tem Ame, tem Pressa”. E Sofia tem apenas seis meses para receber o medicamento. Mas a batalha continua e a fé prevalece na família sabendo que, com a ajuda de todos, a pequena catarinense vai conseguir um dia, caminhar, falar, brincar e viver como uma criança normal e saudável.

Como ajudar: 

Site: amesofiahelena.com.br

Instagram: @amesofiahelena 

- Publicidade -
- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Brasileiro se adapta a ‘novo normal’

A loja de galeria que agora sobrevive com e-commerce, a vaquinha virtual durante a live do artista favorito e...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -