- Publicidade -
26 C
Balneário Camboriú

Pesquisadora da Fiocruz atribui falta de vacinas a ‘incompetência diplomática’

Leia também

Em dia de 98 mortes no Estado prefeitos da Amfri decidem manter aulas presenciais

Balneário tem 43 professores e 11 alunos infectados

‘Deixar a covid espalhar é comprar bilhete de loteria para o vírus’

Epidemiologista da Faculdade de Saúde Pública da Universidade Harvard, o pesquisador americano Bill Hanage critica a forma como o...

SC: desembargador derruba decisão que obrigava transferências na fila por leitos

O desembargador Paulo Afonso Brum Vaz, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, derrubou na noite deste domingo, 7,...

Pioneira no atendimento de pacientes de covid-19 no Brasil, a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo responsabilizou a “absoluta incompetência diplomática” do País pelo atraso na chegada de insumos para a produção de vacinas contra o novo coronavírus. Segundo a médica, “as gestões diplomáticas fracassaram”.

Tanto a Coronavac, do Butantan, quanto a vacina de Oxford, a ser produzida pela Fiocruz, dependem de insumos vindos da China, que já deveriam ter chegado ao País, mas estão retidos na alfândega chinesa. A Índia, por sua vez, mandaria um lote de dois milhões de doses já prontas da vacina de Oxford para adiantar a campanha de vacinação brasileira, mas também houve atrasos.

- Publicidade -

“A absoluta incompetência diplomática do Brasil não permite que cada um dos senhores aqui presentes, suas famílias e aqueles que vocês amam estejam amanhã ou nos próximos meses recebendo a única solução que há para uma doença como a covid-19”, discursou Margareth Dalcolmo, visivelmente emocionada, ao receber uma homenagem da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Em dia de 98 mortes no Estado prefeitos da Amfri decidem manter aulas presenciais

Balneário tem 43 professores e 11 alunos infectados
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -