- Publicidade -
25 C
Balneário Camboriú

Polícia de SP não tem dúvida de que voluntário da Coronavac cometeu suicídio

Leia também

Brasil registra 1.386 mortes por covid-19 em 24h; total chega a 254.221

O Brasil registrou 1.386 novas mortes em decorrência da covid-19 nas últimas 24 horas, segundo dados atualizados neste sábado,...

Médicos publicam anúncio em jornal em defesa de vacinação contra a covid

Um grupo de médicos publicou neste sábado, 27, um anúncio publicitário de duas páginas no jornal O Globo clamando...

Governo do Estado responde ao MP que não suspenderá atividades por 14 dias

(Assessoria Estado) - O Governo do Estado protocolou junto ao Ministério Público de Santa Catarina na manhã deste sábado,...

Por Felipe Resk, Marcelo Godoy e Pedro Venceslau

A Polícia Civil de São Paulo não tem dúvidas de que o voluntário da Coronavac, um farmacêutico de 32 anos, cometeu suicídio. É esse episódio que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alega para suspender os testes da vacina contra a covid-19. Por sua vez, o governo do Estado diz ser “impossível” que haja relação da morte com o imunizante.

- Publicidade -

Desde o dia 29 de outubro, às 16 horas, a polícia registrou a causa da morte como suicídio. A informação consta no Boletim de Ocorrência 2.460/2020 feito pelo 93º Distrito Policial (Jaguaré), ao qual o Estadão teve acesso.

Segundo o zelador do prédio da vítima, o companheiro do farmacêutico havia dado autorização para ele tocar a campainha e, caso necessário, arrombar a porta. Com um segurança do condomínio, eles forçaram a entrada e encontraram o farmacêutico já sem vida.

O delegado foi até o local e não achou sinais de violência no apartamento. Ele requisitou perícia para a residência e para a vítima. Embora aguardem exame toxicológico para a confirmação formal, os investigadores não têm dúvida de se tratar de suicídio.

O Estadão apurou que a vítima se tornou voluntária da Coronavac no início de outubro – mas não há informação se ele, de fato, recebeu uma dose do imunizante ou placebo.

- Publicidade -

Interlocutores do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmaram à reportagem que o Palácio dos Bandeirantes vê com desconfiança a decisão da Anvisa e suspeita que agência atuou para criar um “alarmismo desnecessário”.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

PM dispersa banhistas em praias de Florianópolis em fim de semana de lockdown

A Polícia Militar de Santa Catarina dispersou banhistas que se aglomeravam em praias no norte da ilha, em Florianópolis,...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -