- Publicidade -
24 C
Balneário Camboriú

Restam apenas 6 leitos de UTI em hospitais públicos de Itajaí e Balneário Camboriú

Leia também

Livro com registro inédito sobre a produção teatral em Itajaí será lançado nesta quinta

A história do teatro em Itajaí começou em 1897, no entanto, foi nas décadas de 1970 e 1980 que...

Foragido do RS é preso com arma e drogas em Balneário

Um homem de 34 anos, que estava foragido do RS por furto a caixa eletrônico, foi preso em Balneário...

Vereadores de Balneário Camboriú votarão hoje “calote” no fundo de saúde dos servidores municipais

A Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú votará nesta quarta-feira, 14, projeto do prefeito Fabrício Oliveira que pretende dar...

Minimercado do centro foi arrombado e furtado nessa madrugada

Um minimercado, localizado na Rua 2.000, foi arrombado e furtado na madrugada desta quarta-feira (14), em Balneário Camboriú. O...

Praça da Cultura receberá primeira empena de arte urbana da área central de Balneário Camboriú

A obra do artista Eduardo Vaso, em andamento na Praça da Cultura, ainda não está pronta, mas já vem...
- Publicidade -

Nos dois únicos hospitais públicos com UTI que atendem os 11 municípios da região da foz do rio Itajaí-Açú, restam apenas 6 leitos para pacientes com covid-19, a pior situação vivida desde o início da pandemia.

O Hospital Marieta, em Itajaí, tem 3 leitos e o Hospital Ruth Cardoso, em Balneário Camboriú, outros três.

- Publicidade -

A cidade de Itajaí, onde foram feitas experiências bizarras com tratamentos cientificamente considerados inúteis, experimentou 94 mortes nos primeiros dois meses deste ano, um ritmo de óbitos em média 80% maior do que em todo o ano passado.

Em Balneário Camboriú, foram 54 mortes desde 1 de janeiro, o ritmo de óbitos foi 60% maior do que a média do ano passado.

Em ambas as cidades parcela da população foi relapsa, descuidada, frequentou baladas, bares e outros locais lotados e muitos empresários colocaram, de forma clara, o dinheiro acima da vida humana.

Apesar do cenário desesperador, que afeta todo o Estado, grupos de empresários continuam se movimentando para pressionar o judiciário e o governador do Estado contra restrições ao funcionamento das empresas.

- Publicidade -

Em Balneário Camboriú, assinaram manifesto contra medidas mais restritivas o Sindicato da Construção Civil e o Sindilojas.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -