- Publicidade -
28 C
Balneário Camboriú

Saúde lança aplicativo para estimular uso de remédios sem eficácia contra covid

- Publicidade -
- publicidade -

Leia também

Coronavírus: Argentina registra 1º caso de variante britânica mais contagiosa

A Argentina registrou hoje seu primeiro caso da variante mais transmissível do coronavírus identificada inicialmente no Reino Unido. De...

Amazonas sabia desde novembro que oxigênio de hospitais era insuficiente

Pelo menos desde o dia 23 de novembro, a Secretaria de Saúde do Amazonas sabia que a quantidade de...

Farmacêutica brasileira entra com pedido para uso emergencial da Sputnik V

O Grupo União Química e o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia (RDIF, da sigla em inglês) protocolaram junto...

No momento de disparada de mortes pela covid-19 no Brasil, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, aposta em nova arma ineficaz para o controle da pandemia. O general lançou em Manaus, nesta semana, o TrateCOV, um aplicativo que estimula a prescrição de medicamentos sem eficácia comprovada contra esta doença.

Segundo o próprio ministério, após o diagnóstico, que é sinalizado pelo aplicativo a partir de uma pontuação definida pelos sintomas do paciente, o TrateCOV sugere a prescrição de hidroxicloroquina, cloroquina, ivermectina, azitromicina e doxiciclina. O tratamento muda conforme os dados apresentados pelo paciente, segundo a pasta.

- Publicidade -

Estes medicamentos não têm eficácia comprovada contra a covid-19, são rejeitados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), mas viraram aposta do governo Jair Bolsonaro no combate à doença. Durante a crise sanitária, o presidente desestimulou o uso de máscaras e do distanciamento social, mas mandou turbinar a produção da cloroquina e buscou doação de hidroxicloroquina – medicamentos hoje encalhados nos estoques do governo federal. O aplicativo também indica o uso do corticóide dexametasona, que é recomendado pela SBI para casos mais graves.

O ministério afirma que o uso do TrateCOV poderá ser “ampliado para outras regiões do país”. “A ação do Ministério da Saúde tem como objetivo fornecer mais um mecanismo que dará maior segurança e agilidade no diagnóstico da Covid-19, visando reduzir o risco de internações e óbitos”, diz a pasta em nota.

Em Manaus, Pazuello afirmou, na segunda-feira, 11, que o pilar da estratégia do ministério contra a pandemia é o “tratamento precoce”. No vocabulário da pasta e nos documentos oficiais, este tratamento significa a prescrição da cloroquina, entre outros medicamentos. “Diagnóstico não é do teste. Não aceitem isso. É do profissional médico. O tratamento, a prescrição, é do médico, e a orientação é precoce”, disse Pazuello. “A medicação pode e deve começar antes desses exames complementares. Caso o exame lá na frente der negativo, reduz a medicação e tá ótimo. Não vai matar ninguém”, completou.

- Publicidade -

A capital do Amazonas vive novo colapso de Saúde e não tem oxigênio para todos os pacientes da covid-19. Em nota, a Saúde afirma que enviou 131 respiradores ao Estado, 1.500 cilindros de oxigênio e recrutou profissionais de saúde para permitir a abertura de novos leitos de UTI.

Ainda em Manaus, a equipe de Pazuello fez visitas a unidades de atendimento do SUS. Além de escutarem sobre a crise na cidade, os representantes do ministério deram orientações sobre a suposta evidência de benefícios do “tratamento precoce”, apurou o Estadão. A equipe da Saúde foi reforçada por cerca de 10 médicos de outras cidades, entusiastas do “tratamento precoce”, que viajaram à capital do Amazonas a convite do ministério.

Dias antes do périplo pelas unidades de saúde em Manaus, a secretária nacional de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, avisou ao município que as visitas serviriam para estimular adoção do “tratamento precoce”. Em ofício enviado à Secretaria de Saúde local, Pinheiro ainda escreveu que seria “inadmissível” Manaus não prescrever antivirais sem eficácia comprovada. O documento foi revelado pela Folha de S.Paulo e obtido também pelo Estadão.

Sem citar qualquer prova, o presidente Jair Bolsonaro disse que a crise de saúde em Manaus deve-se à falta do “tratamento precoce”. Bolsonaro desestimula a adoção de medidas eficazes contra a pandemia, como uso de máscara e distanciamento social. “Não faziam tratamento precoce. Aumentou assustadoramente o número de mortes. Mortes por asfixia, porque não tinha oxigênio. O governo estadual e municipal deixou acabar oxigênio”, disse o presidente a apoiadores na terça-feira, 12.

Por ordem de Bolsonaro, o Laboratório do Exército fez mais de 3,2 milhões de comprimidos da cloroquina. Em novembro, estavam encalhadas mais de 400 mil doses. O País também recebeu cerca de 3 milhões de comprimidos de hidroxicloroquina do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e da farmacêutica Sandoz, mas até a metade de dezembro não conseguiu distribuir nem 500 mil unidades. Além da baixa procura, o fármaco foi enviado em caixas com 100 ou 500 comprimidos e precisa ser fracionado – com custo repassado a Estados e municípios.

- Publicidade -
- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -

Brasileiro se adapta a ‘novo normal’

A loja de galeria que agora sobrevive com e-commerce, a vaquinha virtual durante a live do artista favorito e...
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -