- Publicidade -
19 C
Balneário Camboriú

UE: AstraZeneca pede autorização para uso emergencial de vacina contra covid-19

Leia também

Livro com registro inédito sobre a produção teatral em Itajaí será lançado nesta quinta

A história do teatro em Itajaí começou em 1897, no entanto, foi nas décadas de 1970 e 1980 que...

Foragido do RS é preso com arma e drogas em Balneário

Um homem de 34 anos, que estava foragido do RS por furto a caixa eletrônico, foi preso em Balneário...

Vereadores de Balneário Camboriú votarão hoje “calote” no fundo de saúde dos servidores municipais

A Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú votará nesta quarta-feira, 14, projeto do prefeito Fabrício Oliveira que pretende dar...

Minimercado do centro foi arrombado e furtado nessa madrugada

Um minimercado, localizado na Rua 2.000, foi arrombado e furtado na madrugada desta quarta-feira (14), em Balneário Camboriú. O...

Praça da Cultura receberá primeira empena de arte urbana da área central de Balneário Camboriú

A obra do artista Eduardo Vaso, em andamento na Praça da Cultura, ainda não está pronta, mas já vem...
- Publicidade -

Por Eduardo Gayer
A farmacêutica AstraZeneca pediu à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês), a “Anvisa da União Europeia”, autorização para uso emergencial da vacina contra a covid-19 que desenvolve em parceria com a Universidade de Oxford O órgão regulador confirmou nesta terça-feira, 12, o recebimento da documentação e informou que deve publicar um parecer até o próximo dia 29.

Se autorizada, a vacina AstraZeneca/Oxford será a terceira em aplicação na UE. As doses desenvolvidas pela Moderna e pela Pfizer em parceria com a BioNTech já estão sendo aplicadas na população europeia.

- Publicidade -

A AstraZeneca já conseguiu autorização de uso emergencial no Reino Unido e aguarda decisão semelhante no Brasil, após pedido feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) junto à Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). A vacina contra o novo coronavírus desenvolvido pelo laboratório britânico em parceria com a Universidade de Oxford é a principal aposta do ministério da Saúde para imunizar a população brasileira.

Em nota, a EMA afirmou que o profilático só será aprovado caso os dados apresentados sobre qualidade, segurança e eficácia sejam “robustos e completos”, e que o processo de avaliação das informações já foi iniciado. O órgão cita evidências positivas a partir de testes em andamento em Brasil, Reino Unido e África do Sul.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -